31 agosto 2010

Gestão empresarial activa

Há dias no post Desenvolver a economia era referida a necessidade de capacidade de gestão empresarial e a conveniente independência em relação a injecções de subsídios vindos do dinheiro público. Os balões de oxigénio a tentar suprir as incompetências de gestores, raramente servem de tónico, mas apenas de analgésicos viciantes que atrasam a falência, com avultadas dívidas aio Estado e outros credores.

Hoje o Jornal de Notícias traz a notícia de que Empresas portuguesas aproveitam crise para investir em Espanha, o que vem provar que existem gestores competentes, dinâmicos, atentos à evolução da conjuntura e do ambiente circundante e sabem aproveitar oportunidades de negócio que irão beneficiar a empresa, como geradora de serviços, de lucros, de benefícios para trabalhadores e famílias e para a sociedade em geral, por osmose e por eventuais acções de mecenato.

Portanto, o desenvolvimento da economia nacional depende do dinamismo das empresas privadas e da sua boa qualidade de gestão. Para isso, o melhor que o Estado pode fazer é criar condições e estímulos para boa formação profissional.

Imagem da Net.

28 agosto 2010

Desenvolver a economia

Conversas que podiam ser interessantes terminam em frustração pelo simples facto de a generalidade das pessoas não conseguir extrapolar da sua experiência pessoal e do recanto do seu quintal e dar o salto para um patamar mais elevado com vista para os interesses nacionais.

O interlocutor dizia que a revisão constitucional só devia ser tratada depois de resolvidos problemas mais práticos e urgentes como, por exemplo, o apoio ao desenvolvimento da economia.

Mas que tipo de apoio?

Veio a resposta: Aprovar projectos válidos e com pernas para andar que contribuam para o enriquecimento do País e avalizar perante os bancos o financiamento necessário às empresas. Tudo na óptica do empresário que não consegue gerar recursos e espera que o Estado supra a sua incompetência, à custa do dinheiro dos contribuintes.

Mas isso equivale a o Estado servir-se do dinheiro dos contribuintes para enriquecer empresários que podem ser incapazes de realizar uma boa gestão e se limitarem a pouco mais do que receber bons salários, prémios de desempenho, lucros, comprar bons carros, reconstruir as moradias de luxo com piscina, comprar casacos de peles para a esposa e… É comum ouvir-se que a maior parte das empresa que fecharam nos anos mais recentes sofriam de má gestão. E se uma empresa não consegue sustentar-se, servindo os trabalhadores e os fornecedores e agradando aos clientes, não merece que o Governo ali enterre o dinheiro dos contribuintes, deve simplesmente cessar a actividade por não ser produtiva.

Muitas grandes empresas, nacionais e estrangeiras, que beneficiaram de grandes apoios financeiros encerraram, passado pouco tempo de actividade, e foram para outras longitudes à procura de mão-de-obra mais barata, de que se pode citar Grundig de Bragança, e de entre as mais recentes, a Delphi da Guarda.

Oxalá tenha melhor sorte a empresa Arsopi Thermal que há dias foi aproveitada para mais um acto de propaganda do PM. Também será bom que o caso com a empresa Nelson Olim não dê mau resultado.

Já estão em curso medidas de apoio ao aparecimento de novas empresas, como o «licenciamento zero» que certamente dará bons resultados se for seguido de boa fiscalização e controlo da actividade, assim como será conveniente a intensificação e eficácia da formação profissional, e, por outro lado, a divulgação de estatísticas e outros dados, a difusão de sugestões para evitar acidentes de trabalho, a simplificação administrativa e fiscal, será útil para enfrentar a concorrência, para aumentar a produtividade e a remuneração dos recursos humanos.

Em conclusão, o apoio do Estado às empresas privadas, não pode nem deve traduzir-se no abuso do dinheiro público para alimentar parasitas que não conseguem a sua auto-sustentação e, muito menos, o contributo para o bem-estar dos portugueses.

Imagem da Net.

27 agosto 2010

O PREÇO DO PETROLEO E O FIM DA GLOBALIZAÇÃO

.
BOA NOITE

LI UM LIVRO COM O SEGUINTE TÍTULO:

PORQUE É QUE O SEU MUNDO VAI FICAR MUITO MAIS PEQUENO

AUTOR: JEFF RUBIN

É DE UMA CLARIVIDENCIA, E RELATA NOSSO FUTURO PRÓXIMO DE UMA FORMA IMPRESSIONANTE ( MUITO MAIS PRÓXIMO QUE IMAGINAMOS ).

NOSSO MODO DE VIDA VAI MUDAR RADICALMENTE, QUANDO O PETROLEO ATINGIR VALORES ACIMA DE 150 DOLARES O BARRIL.

UM EXTRATO DO LIVRO PARA NOS POR A PENSAR ........

"A TESE PRINCIPAL DO LIVRO É DEFENDER QUE A PARTIR DE PREÇOS SUPERIORES A 100 DOLARES O PETROLEO, A ÚNICA FORMA DE MANTER A ECONOMIA A CRESCER, EVITANDO RECESSÕES PERIODICAS, É DIMINUIR O COMÉRCIO DE MERCADORIAS E A MOBILIDADE DE LONGA DISTANCIA, TORNANDO O MUNDO MAIS FOCADO NO LOCAL, LOGO, MENOS GLOBALIZADO E MAIS PEQUENO."
"TEMOS, POREM, PELA FRENTE DESAFIOS INTEIRAMENTE NOVOS.
A POPULAÇÃO DOS PAÍSES DESENVOLVIDOS É ACTUALMENTE DE 1200 MILHÕES E MANTER-SE-Á APROXIMADAMENTE CONSTANTE ATÉ 2050.
A POPULAÇÃO DOS OUTROS PAÍSES, INCLUINDO AS ECONOMIAS EMERGENTES DO BRIC ( BRASIL, RÚSSIA, CHINA E ÍNDIA ), É ACTUALMENTE DE 5400 MILHÕES E IRÁ SER DE CERCA DE 8000 MILHÕES EM 2050."

A GLOBALIZAÇÃO MORREU, E NOSSO FUTURO PRÓXIMO EM PORTUGAL E NO MUNDO SERÁ MUITO DIFICIL. NOSSOS GOVERNOS NÃO INFORMAM A POPULAÇÃO, POR SABEREM QUE NÃO TEM SOLUÇÃO A MÃO.
IREMOS PASSAR UM MAL BOCADO.............................

O PLANETA TERRA EM 2050, POSSUIRÁ 9000 MILHÕES DE HABITANTES.
HOJE EM 2010, TEMOS MAIS DE 6000 MILHÕES DE HABITANTES.
O PLANETA TERRA NÃO PRODUZIRÁ ALIMENTOS E ENERGIA PARA TODOS OS HABITANTES.
TERÃO QUE SER FEITAS ESCOLHAS DIFICEIS ...............
SÓ COM A REDUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL PARA 500 MILHÕES DE HABITANTES, O PLANETA TERRA SERÁ SUSTENTAVEL.
ESTA VIA SERÁ EXTREMAMENTE DOLOROSA, MAS INEVITÁVEL ...........

LEIAM O LIVRO, E DESCUBRAM A VERDADE.

" por vezes o homem tropeça na verdade, mas levanta-se e continua a caminhar " Winston Churchil.

UM ABRAÇO A TODOS.

RAMIRO LOPES ANDRADE

26 agosto 2010

Meditação de gata pensadora

Jornal de Notícias. 26-08-2010. Por Tiago Azevedo Fernandes

Com a sabedoria da respeitável idade de 13 anos, passo os dias a meditar repousando na travesseira à janela. Arrependo-me de não ter actuado mais cedo, nos meus tempos de juventude. A situação do país é grave e tu não tens ajudado o suficiente. Observo o meu mundo com atenção, possuo o distanciamento conveniente para ver as consequências daquilo que fazes e, principalmente, daquilo que não fazes.

Não basta seres bem intencionado para o exercício das tuas funções ter um efeito positivo. Entre as causas dos problemas nacionais está a maneira como a tua geração pensou que bastaria entregar a Política a um pequeno número de pessoas "credíveis" para haver desenvolvimento sólido. Vindo de uma tradição salazarista, o país quis ser comandado pelo Estado. Só que a sociedade civil não funciona bem quando é comandada. Repara como eu não me deixo dominar nem sequer pelas pessoas aqui de casa, de quem tanto gosto. Isso não impede uma relação muito feliz. Por um lado, tenho acesso de qualidade aos serviços indispensáveis - comida e água fresca à disposição, cuidados de saúde quando necessário, habitação confortável, mimos em doses maciças; por outro, respeito as regras de convivência, não provoco despesa excessiva, cumpro com grande produtividade a minha missão de dar alegria e bom ambiente à família. Cada um no seu lugar.

Grande parte da tua geração nunca vai compreender que o que está errado não é uma medida ou outra do Governo, é mesmo a forma como se governa. Aquelas pessoas têm de ser substituídas para deixar o país respirar melhor. Por isso a maneira mais construtiva de terminares o teu mandato é apressares essa mudança no parlamento e, por fim, não te recandidatares. Faz como eu: aprende a gozar o conforto de uma mantinha fofa.

Aceita os cumprimentos da FM, uma gata portuense.

Imagem da Net.

24 agosto 2010

Saber fazer é necessário

A vida é feita de sucessivas escolhas entre várias alternativas, diversas decisões que, por vezes, parecem iguais às anteriores mas diferem em pormenores circunstanciais. Daí que seja conveniente sabermos que existem métodos úteis, embora tenham que ser adaptados ao caso concreto. Um exemplo é referido em «Pensar antes de decidir».

Ao olharmos para o fluir da vida nacional verificamos que este método nem sempre é utilizado e, muitas vezes, as decisões surgem por «inspiração» de momento ou, como é costume dizer, são feitas em cima do joelho. Além da indevida preparação das decisões, existem sábios que são capazes de dizer de cor largas tiradas de eruditos manuais universitários, mas que não fazem uma ideia correcta da utilidade prática de tais conhecimentos, não sabem como agir, como decidir, perante o caso concreto ou os sintomas de um problema que, se detectado precocemente, bem poderia ser evitado.

Este raciocínio conduz a dúvidas talvez exageradas mas que estimulam o raciocínio sobre aquilo que ficou atrás. Será que neste País alguém percebe de política? Realmente, parece que ninguém se entende nesse campo e estamos permanentemente em crise com os partidos em luta pelo poder, esquecendo as pessoas que dependem das decisões dos governantes. A essas pessoas parece ser dada menos atenção do que os jogadores de futebol dão à relva dos estádios que pisam sem nela pensarem.

E de economia, alguém percebe? Parece que ninguém notou os sintomas iniciais da crise em que estamos afundados, depois de uma queda a pique de que ninguém nos livrou com antecedência e em que não há ninguém que nos indique a porta de saída. Os políticos continuam com o habitual espectáculo das «rentrées» a trocar galhardetes envenenados, sem falarem nem pensarem nos objectivos e nas estratégias para a recuperação da crise. Entretanto a Alemanha, com políticos eficientes, anuncia que no fim deste ano vai registar o seu nível de desemprego mais baixo desde 1992. E, por cá, o que têm feito os nossos economistas para nos levantarem do nível terceiro mundista a que descemos, com a sua indiferença ou conivência?

E a Justiça? Alguém saberá realmente organizar um sistema de Justiça adequado aos hábitos, virtudes e vícios da nossa população? Parece que ninguém sabe. Pelo menos a leitura de jornais mostra-nos «casos» muito estranhos, «casos» que nunca chegam ao fim, criminosos reincidentes sem sanção, discussões entre os juízes e magistrados acerca de confusões e falta de rapidez e de eficácia, sentimento generalizado de insegurança, etc.

Na saúde, parece que tendo sido colocada em primeira prioridade a redução das despesas e desprezando as condições de eficiência do apoio à população, não param de aumentar as razões para generalizadas lamentações das pessoas que são um facto iniludível. Quem sabe e quer reorganizar o sistema com a coordenação de todos os seus agentes, com a sua convergência de esforços, para maximizar os resultados sem esquecer as despesas?

E no ensino, quem sabe estruturar a preparação das nossas crianças e jovens para virem a ser adultos capazes de dar boa continuidade ao Portugal soberano e desenvolvido? Desde 1974 houve 28 ministros, quase um por ano. A baralhação começa a ser preocupante, com a chegada à universidade de alunos com preparação cada vez mais fraca e com a má figura feita por licenciados e mestrados em concursos televisivos em que a ignorância demonstrada leva a elogiar com saudade a antiga 4ª classe. Mas as reformas inteligentes estão a concentrar-se em fecho de escolas e na «proibição» de chumbos e de retenções, o que leva a recear muito do que será o futuro de Portugal.

A desertificação do interior e a ausência de uma prevenção satisfatória dos fogos florestais são outros aspectos em que se não vê uma escolha de soluções minimamente aceitáveis, quanto a resultados visíveis. E não se vê a definição de linhas de rumo esboçadas pelo MAI, pela Agricultura e pelo Ambiente

Isto, se continuar sem rumo, em breve deixará de se poder chamar País.

No entanto, apesar da crise que nos coloca no fim da UE e ao nível do terceiro mundo, os políticos perdem tempo a brincar às tricas entre pares, entres jogadores dum mesmo campeonato em que o povo é a relva dos estádios, que serve para ser pisado e suportar, com pesados e crescentes impostos, os inconvenientes da crise que os «chefes» foram criando e agravando com crescentes despesas de um Estado cada mais obeso e mais ostensivamente perdulário e esbanjador.

Imagem da Net.

19 agosto 2010

A RIBEIRA CORRE MANSA

Imagem da net



A ribeira corre mansa
Esquecida nas chamas
Que devoram o verde da terra
E, em espasmos de fogo embrutecido
Vorazes sorvem a beleza
Da natureza que desespera...
A ribeira corre mansa
Enquanto nossos olhos dormem
Nas águas mudas e sem curso
Que já não agitam consciências...
Seca-se o leito e a terra já não borbulha
A temperança da humanidade
Que dá vida à vida!


14/08/2010

17 agosto 2010

Medina Carreira entrevistado por Mário Crespo na SIC ( apesar de antigo, vale a pena relembrar )

É tempo de fazer alguma coisa por portugal, este meu post visa isso mesmo, até às proximas eleições sugiro e convido os amigos e colaboradores da Voz do Povo a colocarem posts, que esclareçam e formem a opinião pública, no sentido criar uma massa crítica e com capacidade de análise.


Apesar de já ter algum tempo a entrevista, vale a pena ouvir o Prof. Medina Carreira e meditarmos, no que se pode e não pode fazer para salvar Portugal.
Está nas mãos do Povo a possibilidade de um Portugal melhor e não nas mãos do sistema político e dos políticos que têm governado Portugal, nos últimos 30 anos! O Retrocesso na qualidade de vida dos portugueses, o empobrecimento geral da população, a corrupção, compadrios, a ineficácia da Justiça, fazem augurear uma vida difícil e sem futuro para a maioria dos portugueses.
Só mesmo o povo pode alterar o rumo da situação!














Um abraço

Victor Simões

14 agosto 2010

UMA PIADA PARA ALEGRAR NOSSAS FÉRIAS, NESTE RETANGULO A BEIRA MAR PLANTADO .........

UM PAÍS DE FAZ DE CONTA CHAMADO PORTUCALE

AGORA UMA PIADA INOCENTE, E NADA TENDENCIOSA.

ERA UMA VEZ UMA CASA DE PUTAS LOCALIZADA NUM PAÍS CHAMADO PORTUCALE.

UM CERTO DIA, UMA JORNALISTA RESOLVEU ENTREVISTAR A DONA DA CASA ............

JORNALISTA: A MADAME RECEBE MUITOS POLITICOS DE PORTUCALE EM SUA CASA.

MADAME: HO MINHA FILHA, SOMOS UM CASA DEMOCRATICA, RECEBEMOS TODOS AQUI, SEM DISCRIMINAÇÕES PARTIDÁRIAS, TEMOS MUITAS MENINAS E ALGUNS MENINOS.

JORNALISTA: MAS O PRESIDENTE VEM CÁ MUITAS VEZES ?

MADAME: ESSE VEM CÁ 3 VEZES POR MES.

JORNALISTA: E O PAULO DAS FEIRAS ?

MADAME: ESSE VEM CÁ 3 VEZES POR SEMANA, MAS TENS UNS GOSTOS ESQUISITOS, MAS PRONTAMENTE O ATENDEMOS.

JORNALISTA: E O PRIMEIRO MINISTRO DE PORTUCALE ?????

MADAME: ESTE VEM CÁ TODOS OS DIAS DE MANHÃ CEDO !!!!!!!!!! DÁ UM BEIJINHO A MÃE, E SE VAI LOGO EMBORA.

QUALQUER SEMELHANÇA COM PORTUGAL É UM MERO ACASO ........................ E NADA PREMEDITADO, O AUTOR DESTA PIADA NÃO SE RESPONSABILIZA POR NENHUMA INTERPRETAÇÃO MALDOSA, ISTO É APENAS UMA PIADA DE ORIGEM GERAL E NÃO DIRIGIDA A NINGUEM EM ESPECIAL !!!!!

Viva a Liberdade

          A Liberdade, cada vez é mais cerceada, as democracias actuais já não são livres, fazem-nos acreditar que sim, mas na verdade, não o somos. Estamos manietados controlados pelo novo sistema político, assente num denominado "Neoliberalismo político ", que não é mais que o recrudescimento de um "Neofascismo" encapotado que pretende dominar todas as sociedades e com base estratégica no clube de Bildenberg. Não sou adepto das teorias da conspiração, nem do pessimismo, mas sou forçado pelas evidências a analisar o que se passa ao meu redor, o que está a acontecer no nosso mundo à escala global.
          As nossas comunicações são escutadas, os nossos e-mails controlados, os nossos registos de dados circulam nas mãos de milhentas empresas, que nos sujeitam à maior tortura publicitária, somos obrigados a uma sem fim parafernália de proformes de controlo social.
         A política é controlada pelo poder económico, que se sobrepõem aos próprio Estados, a economia já não funciona como teorizou Adam Smith, pois os mercados já não se autoregulam, são intervencionados e manipulados por mãos bem visíveis, a livre concorrência não existe é asfixiada pelo poderio dos grandes grupos económicos! A nossa Liberdade assenta sómente em cada um per si e na sua relação com o actual mundo. Um mundo cada vez mais complicado, mais desprovido de humanismo, sentimento, valores morais e sociais, um mundo dividido, desigual, injusto! Aumenta a pobreza e com ela a miséria social e humana, as desigualdades são abismais e tudo por culpa da ganância do homem, e do capitalismo selvagem que impera na actual sociedade!
         Viver a Liberdade em liberdade hoje, é pois uma falácia. A Liberdade está portanto em cada um de nós, e no sentido que se lhe dá, e como atrás referi, vivida per si e em si com base na sua relação com o actual mundo!


Viva a Liberdade

 Existem proibições

para tudo e para nada,

existem limitações,

imposições, impostos, chips...

câmeras de vigilância

e quem não concordar com o sistema

é ostracizado,

é comunista,

é processado,

é multado,

preso e condenado!

Mas eu,

enquanto o Sol brilhar,

enquanto houver amizade,

enquanto eu respirar

enquanto eu tiver voz!

Gritarei sempre...

Viva a Liberdade!"




Um abraço!
Victor Simões!

13 agosto 2010

Os fogos acabam hoje ???

Perante a notícia de que «Cavaco e Sócrates vão interromper as férias por causa dos fogos», a primeira ideia foi de que quisessem contribuir para o «recompletamento do efectivo» dos bombeiros, depois de ter havido baixas em vários corpos com mortos e feridos, no combate às chamas e nos deslocamentos de e para os locais de actuação.

Mas estava equivocado, pois trata-se de um encontro ao mais alto nível em que também tomará parte o MAI e quadros superiores da Protecção Civil. Será que de tal encontro resultará a paragem imediata das chamas e a detenção dos incendiários ? Os fogos acabarão hoje? Quais serão os benefícios advenientes para os portugueses?

A Política, ciência e arte de gerir os destinos de um Povo, é feita com decisões oportunas e adequadas, mais ou menos do género das sugeridas no post «Fogos florestais. Mais vale prevenir!!! » e não com palavras inócuas, vazias de conteúdo e de elevação como as referidas no post «Fogos testam capacidades de génios» ou com o actual encontro devidamente publicitado, que a comunicação social transformará em «show-off» ou, como dizem os franceses, servirá «pour épater le bourgeois».

Tudo leva a crer que os custos por vezes citados do combate aos fogos revertem em benefício de empresas e instituições para quem isto é um bom negócio mas, por outro lado, ninguém faz uma estimativa dos custos para as pessoas das áreas atingidas pela tragédia e para o ambiente.

Somados todos os custos e libertando-se o Estado do clientelismo dos beneficiados, pode concluir-se que ficaria mais barato e mais benéfico para as populações e para o ambiente fazer tais gastos em trabalhos sistemáticos e organizados de prevenção, na limpeza das matas e áreas rurais, na abertura de aceiros e construção de pontos de água.

Porque não se começa já a estudar e organizar a prevenção para que no próximo ano não haja calamidade semelhante à deste ano? E porque não se fez tal prevenção nos anos anteriores?

Imagem da Net

11 agosto 2010

João Soares, 4 anos na blogosfera.


Convém aqui recordar, que o nosso colega blogger e amigo João Soares, já faz parte da família blogger há 4 anos, feitos precisamente hoje 11 de Agosto de 2010, em que foi convidado pelo meu marido a participar no " A Voz do Povo ". Desde então o João ganhou o bichinho e nunca mais deixou de ser uma presença assídua e constante na blogosfera, onde participa em 11 blogues. Tem assim tido uma participação muito positiva e interventiva no plano social e politico. O exercício da cidadania, é um dever e um direito
e o João Soares, tem feito jus a essa prerrogativa que é peculiar a pessoas que se preocupam com o bem geral, e sobretudo com o seu país, por esse motivo aqui fica o registo de uma homenagem que quero deixar ao nosso estimado e querido amigo. Parabéns e obrigado João Soares.




09 agosto 2010

Jovens generosamente voluntários

Da notícia "Jovens tremendamente abertos ao voluntariado" ressalta o trecho «"É muito gratificante verificar que há jovens que se privam das suas férias para vir para aqui fazer bem a quem precisa. E que se entusiasmam de verdade. E que voltam no ano seguinte." Manuel Antunes faz questão de destruir o que diz ser um mito. "Criou-se a ideia de que os jovens são egoístas e vivem alheados da realidade. Não é verdade. Quando há alguém que os motiva, são tremendamente abertos e disponíveis."»

«No Verão, há centenas de pessoas que ocupam as férias a cuidar dos outros. Mas também há ilusões: o voluntariado será menos romântico do que possa imaginar-se.»

«O padre Manuel Antunes, responsável por dois campos de férias para deficientes no santuário de Fátima, corrobora. "Não basta ter boa vontade, é preciso ter vocação e muita generosidade." Dá o exemplo do projecto que lidera há seis anos: "Trabalhamos com pessoas com limitações físicas e mentais profundas. Ficam connosco durante uma semana para que a família possa descansar um bocadinho. É um trabalho muito duro, violento mesmo. Passa por dar-lhes banho, fazer camas, acompanhá-los, alimentá-los... "»

Apesar de não ser fácil tratar de idosos e de doentes variados, apesar de ser um compromisso difícil dar aulas com regularidade e honesta preparação numa «universidade» para a terceira idade, há muitas pessoas que se prestam com entusiasmo a ser úteis aos semelhantes.

É um bom sinal que haja muitos jovens a dedicarem parte ou a totalidade das férias a bem-fazer aos outros. É uma promessa de que estamos a entrar numa nova era, de solidariedade, oposta à do egoísmo, do consumismo, da ostentação, da adoração do dinheiro. A construção dessa nova era cabe aos jovens de hoje e virão a ser eles os beneficiados pelos resultados dessa tarefa. Por isso, convém dedicarem-se a ela com todas as suas capacidades, para recuperarem os valores éticos que as duas ou três gerações anteriores desprezaram.

Tenhamos esperança nos jovens. Veja-se a lista de links constante do post «Aluno português brilhou em competição no Japão»

Imagem da Net.

03 agosto 2010

(DES)IGUALDADE

A seara de preconceitos
em debandada no redondel da altivez
Distorcida cinzela a escarpa
Que se abomina de quando em vez...
E o fosso que se cava
Na imperfeição da igualdade
Continua intocável
No credo em que se debate!


27/07/2010

02 agosto 2010

Carta aberta ao Sr. Zé Trocaste de Portucale

.

Meu caro primeiro-ministro de Portucale, digníssimo Sr. Zé Trocaste.

Venho informa-lo em primeira-mão a seguinte novidade.

Nós portucalenses somos sadomasoquistas !!!!!!!!!!!!!!

Porque digo isto ?

Porque gostamos de ser enrabados por vossa excelência, e também por todos os mamões de seu governo ( ministros, e robalos afins ).

Assim sendo, e sem mais delongas, proponho as seguintes medidas económicas moralizadoras, para o país de bananas que somos.

Vais ver que o Zé Povinho vai gostar !!!!!!!!!!!!

1. aumentar todos os combustíveis.

gasóleo 12 euros/ Lt ( 2 euros para a Galp, 10 euros de impostos ).

gasolina 11 euros/ Lt ( 2 euros para a Galp, 9 euros de

impostos ).

garrafa de gás 100 euros/ und ( 25 euros para a Galp, 75

euros de impostos ).

2. passarmos a pagar 70% de IRS, a Banca ficar isenta de qualquer imposto, e as empresas não pagam IRC.

3. aumentar o IVA para 75%.

4. criar um imposto sobre o ar que respiramos, com uma taxa de 150 euros/ mês.

5. ponha um Chip RFID no rabo de cada homem/ mulher/ criança e maricas ( os maricas vão adorar !!!!! ).

Coloque portais iguais aos das SCUTS, com localização e identificação, nos passeios públicos, para se poder cobrar as pessoas a utilização da via pública.

É uma maneira fácil de fazer a manutenção dos buracos nos passeios, e abater a nossa dívida externa.

Cobre por km percorrido, tipo 1 euro/ km, com arredondamentos para cima, se faz favor.

Não te esqueças de enviar as facturas directo as contas bancárias dos totós.

Garanto que o Zé Povinho te vai apoiar. Para isto acontecer, basta mandares o Papa vir a Portucale mais cinco vezes neste ano de 2010. Vais ver que o Zé Povinho nem vai ligar a estas medidas.

No entanto passa muito futebol a borla na RTP, sem te esquecer das novelas imbecis, mais os programas recreativos idiotas, com muito fado a mistura.

É claro que com estas medidas de “ austeridade “, vais entrar para os “ ANAIS “ da história de Portucale, meu querido.

Mas isto de ANAIS, de certeza é coisa que tu Zé Trocaste, vais gostar muito ………………………

Fique sabendo que nós contribuintes de Portucale somos sadomasoquistas !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Adoramos sermos enrabados por ti meu querido, e teus amiguinhos.

Estou até a ouvir os gemidos de prazer do Zé Povinho:

“ ai esta doendo, mas enfia tudo e com força meu amor, porque gostamos de sermos enrabados por ti Zé Trocaste, e sem vaselina, que é para doer mais …………… “

Portucale merece isto, e muito mais, por termos um povo macambúzio, que nem com as orelhas de burro que temos, conseguimos afastar as moscas.

Há Eça de Queirós ………….. que falta nos fazes nos dias de hoje.

Ramiro Lopes Andrade

Obs: qualquer semelhança com PORTUGAL é mera coincidência.

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas