04 março 2011

A luz extingue-se lentamente




O frio acendeu-se na desolação dos corpos


a terra já não produz o sémen da colheita


nem a foice corta o centeio amarelecido


o homem já não grita, liberdade


já todos o esqueceram perto do declive



Os barcos fazem escala na maré, ora-se


a um Cristo feito de barro, de cabelo comprido,


espinhos cravados, sempre com as mesmas lágrimas


presas nos olhos feitas em sangue



Os peixes já não morrem pela boca


imobilizam-se no sono antigo da pesca


o xaile negro esvoaça sobre o sargaço crestado


amalgamado com o lixo que dá à costa



A luz extingue-se lentamente


na cadeia de Peniche,


no interior da mão envelhecida


o sangue ainda escorre pelas paredes



Apaguem as velas…


antes que a densa escuridão ouça os meus passos.





Conceição Bernardino

1 comentário:

Juliet disse...

I am sorry to spam, but today is my blog's 4 year birthday and I am celebrating it with a giveaway for all my followers! Like you!

Juliet xxx

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas