25 abril 2012

Militares de Abril, não participam nas cerimónias oficiais do 25 de Abril

A Associação 25 de Abril não participará este ano, pela primeira vez, nas celebrações oficiais da Revolução dos Cravos por considerar que "a linha política seguida pelo atual poder político deixou de refletir o regime democrático herdeiro do 25 de Abril".
foto arquivo JN
Associação 25 de Abril não participará nas celebrações oficiais
Vasco Lourenço
O anúncio foi feito, esta segunda-feira, em Lisboa, pela direção da associação, de que fazem parte alguns dos chamados "Capitães de Abril".
"A linha política seguida pelo atual poder político deixou de refletir o regime democrático herdeiro do 25 de Abril configurado na Constituição da República Portuguesa", lê-se no texto do manifesto "Abril não desarma", lido aos jornalistas e a uma assembleia de associados pelo coronel Vasco Lourenço.
"O poder político que atualmente governa Portugal configura um outro ciclo político que está contra o 25 de Abril, os seus ideais e os seus valores. Em conformidade, a Associação 25 de Abril anuncia que não participará nos atos oficiais nacionais evocativos do 38.º aniversário do 25 de Abril", lê-se no texto.
O manifesto, lido pelo presidente da associação, esclarece que, porém, a Associação "participará nas comemorações populares e outro atos locais de celebração" da revolução de 1974, assim como "continuará a evocar e a comemorar o 25 de Abril numa perspetiva de festa pela ação libertadora e numa perspetiva de luta pela realização dos seus ideais, tendo em consideração a autonomia de decisão e escolha dos cidadãos, nas suas múltiplas expressões."

Concordo perfeitamente,
Os principios que nortearam a Revolução de Abril, já não são as linhas condutoras seguidas e defendidas pelos atuais políticos, dados ao jogo dos interesses instalados e da subserviência do grande capital. Reina pois a corrupção, a injustiça, o empobrecimento dos portugueses e do país a favor  de alguns donos desta quinta que é Portugal.

      Memórias da Revolução de há 38 anos.







 

        Muitas das conquistas da Revolução do 25 de Abril de 1974,são colocadas em causa por sujeitos que nada fizeram por elas, nasceram em berços confortáveis, por já terem nascido com previlégios, essa mesma elite, quer por força que o país retroceda em todas as áreas sociais, para que se possam continuar a afirmar como classe dominante e salvaguardar esses mesmos interesses de classe.
        Quanto menor for o acesso à educação e formação académica, menor o poder reivindicativo , menor a concorrência da competência profissional, aliás é o que se verifica nos famigerados tachos de nomeação para cargos públicos de amigos e familiares. 
        Portugal precisa de mudar de rumo, precisa de gente capaz e séria e sobretudo de gente, que respeite o povo e os principios democráticos e institucionais, CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA.

1 comentário:

Luís Coelho disse...

Vai sendo tempo de dizer não. Vai sendo tempo de dizer basta.
O 25 de Abril não aconteceu para dar privilégios a uns quantos que se arvoraram em donos do meu país.

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas