04 fevereiro 2011

A minha cruz

Olá Conceição,

isto está complicado, eu já tinha tentado noutros lados e pouco consegui, a mentalidade dos Portugueses é aquela descrita no artigo de Clara Ferreira Alves.

Houve um comentário muito bom de uma pessoa mas depois comentam outros artigos e este não lhes diz nada, se calhar é demasiado sério para eles!

Na minha procura por informação, encontrei este artigo de um jornalista, novamente Clara Ferreira Alves.

«[...] Nunca foi tão visível o empobrecimento intelectual do jornalismo e da política. O jornalismo tem de fazer as perguntas que ninguém faz e obter as respostas a que o
público tem direito
. Chegaram à profissão carregamentos de jovens sem preparação, mão de obra barata que exerce a profissão com a leviandade e a ignorância dos maus alunos. Existem colunistas e comentadores de cueiros, ligados a partidos e presumindo de independentes, existem estagiários a cobrir acontecimentos históricos, existem editores que não editam, existem prioridades invertidas. Existem trepadores sociais e velhos do Restelo. [...]»

Este fim de semana vi um artigo cujo titulo era "Estratégias de manipulação", e diz o seguinte entre outras coisas:

A estratégia da diversão
Elemento primordial do controle social, a estratégia da diversão consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mutações decididas pelas elites políticas e económicas, graças a um dilúvio contínuo de distracções e informações insignificantes. A estratégia da diversão é igualmente indispensável para impedir o público de se interessar pelos conhecimentos essenciais, nos domínios da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética.

Dirigir-se ao público como se fossem crianças
A maior parte das publicidades destinadas ao grande público utilizam um discurso, argumentos, personagens e um tom particularmente infantilizadores, muitas vezes
próximos do debilitante, como se o espectador fosse uma criança pequena ou um débil mental. “Se se dirige a uma pessoa como ela tivesse 12 anos de idade, então, devido à sugestibilidade, ela terá, com uma certa probabilidade, uma resposta ou uma reacção tão destituída de sentido crítico como aquela de uma pessoa de 12 anos“. (“Armas silenciosas para guerras tranquilas”, do mesmo autor).

Manter o público na ignorância e no disparate
Actuar de modo a que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para o seu controle e a sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes inferiores deve ser da espécie mais pobre, de tal modo que o fosso da ignorância que isola as classes inferiores das classes superiores seja e permaneça incompreensível pelas classes inferiores“.

Este país é pior do que uma republica das bananas e impera a lei da selva. As pessoas são tão "cegas" que não percebem que são usadas e que um dia isto pode-lhes também acontecer.


Obrigado, um abraço,

Arsénio Almeida

3 comentários:

Zé Povinho disse...

A manipulação existe e não tem apenas estas "faces". A criação de "factos", que mesmo sem importância atingem grandes faixas da população, distrai atenções do que é crucial, e isso acontece quase todos os dias.
Abraço do Zé

victor simoes disse...

Excelente post, pena que não chegue a todos, pois o que o povo deveria saber, nunca chega a ver, nem a ler e muito menos a perceber!
A manutenção da ignorância é sem dúvida uma estratégia das classes dominantes, no sentido de perpectuar os seus privilégios e poder.

Um abraço

Maria Lúcia Marangon disse...

Muito triste tudo isso. Afinal, a Imprensa deveria ser, como este blog, A VOZ DO POVO, pois, para trabalhar contra o povo, já bastam os políticos.

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas