06 abril 2013

Portugal deu a países Africanos e a Timor 436 milhões de euros em 2012, POIS É ... SOMOS UM PAÍS RICO !!!!!!!


Portugal continua na mesma senda ............ é lindo sermos caridosos com os outros países, quando sequer temos dinheiro para honrar nossos compromissos diários.

São 567 milhões de dólares ( 436 milhões de euros, ao cambio de hoje - 1,30 ).

É simples de se explicar para estes esquerdalhoides e aproveitadores dos políticos portugueses, e  imbecis de sempre.
Vamos supor a seguinte situação familiar:

- O Manel ganha de rendimentos mensais líquidos 1200 euros.
este dinheiro mal dá para sobreviver, depois de pagar todas as contas.
Mas no bairro onde mora, há muitos pobrezinhos, que vivem em pior situação.
Que faz o Manel ?
Para se fazer de rico, e como não tem dinheiro para ajudar os pobrezinhos, vai á banca e pede 10 mil euros, e dá aos pobrezinhos.
No entanto, a situação do Manel, que já era complicada, piora muito, pois agora tem uma dívida de 10 mil euros + os juros anuais.
Isso se repete ano após ano, e chega-se á insolvência, mas não satisfeito, continua a doar dinheiro aos pobrezinhos.

QUALQUER SEMELHANÇA COM PORTUGAL, NÃO É MERA COINCIDENCIA !!!!!!

Haja paciência ................ eu já me fui deste pântano português, e estou a curtir praia e sol aqui no Brasil.

Amanhem-se ............................. que eu estou de camarote a ver o circo pegar fogo !!!!!!!!!

Um abraço lusitano para todos.

Ramiro Lopes Andrade

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------


http://www.publico.pt/sociedade/noticia/portugal-cada-vez-mais-longe-de-cumprir-metas-da-ajuda-publica-a-paises-pobres-1590133

A ajuda de Portugal aos países mais pobres caiu 13,1% em 2012 face ao ano anterior, indica um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Portugal segue uma tendência geral de cortes neste tipo de ajudas verificada na União Europeia pelo segundo ano consecutivo.
Em 2012, Portugal disponibilizou 567 milhões de dólares para a Ajuda Pública ao Desenvolvimento (APD), o que corresponde 0,27% do rendimento nacional. Assim, afasta-se cada vez mais das metas internacionais definidas para a APD até 2015, as quais estabelecem que os países destinem 0,7% dos respectivos rendimentos nacionais brutos aos países mais pobres
Pedro Krupenski, presidente da direcção da Plataforma Portuguesa das Organizações Não-Governamentais para o Desenvolvimento criticou, em comunicado, quem “acha que reduzir a Ajuda Pública ao Desenvolvimento é reduzir custos supérfluos”, concluindo que “há tantas formas de financiar a cooperação sem onerar os orçamentos públicos”.
Portugal centra a ajuda pública bilateral nos cinco países africanos de língua oficial portuguesa e em Timor-Leste.
Em geral, os membros do Comité de Ajuda ao Desenvolvimento juntaram menos dinheiro que em 2011: os 125,6 mil milhões de dólares (98 mil milhões de euros) disponibilizados correspondem a uma quebra de 4% nas ajudas. A tendência de redução verificada na União Europeia é a segunda maior desde 1997 e “coloca em risco o apoio sustentável dado a milhões de pessoas mais desfavorecidas de todo o mundo”, pode ler-se no comunicado da Plataforma Portuguesa das ONGD.
Alguns dos maiores cortes ocorreram em Espanha, que reduziu as ajudas aos países mais pobres em quase 50% durante o ano passado.
Quanto ao destino destas verbas, verificou-se sobretudo uma redução nas ajudas ao continente africano, que caíram quase 10% em relação a 2011.
“Contudo, apesar das pressões fiscais actuais, alguns países mantiveram ou aumentaram os respectivos orçamentos para a APD, de modo a cumprir as metas estabelecidas”, pode ler-se no documento divulgado pela OCDE. O Reino Unido, por exemplo, junta-se agora a um conjunto de países europeus que já cumpriram as metas definidas, onde se encontra a Dinamarca, Luxemburgo, Holanda, Noruega e Suíça.

1 comentário:

victor simoes disse...

Olá Ramiro, quanto à tendência política dos políticos portugueses estás equivocado, não são de esquerda, mas sim de direita!

Quanto à questão de fazer figura de rico, quando se é pobre é mau, pois dadas as circunstâncias em Portugal se encontra.

O problema é das políticas neo-liberais que são as que predominam no Ocidente.
Resta-nos remar contra a maré, e alguns como no teu caso podem fazê-lo no exterior. Qualquer dia por cá, só ficam velhos e indiferenciados.

Cumprimentos.

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas