15 outubro 2010

Hei-de arrancar as palavras com os dentes

Hei-de arrancar as palavras com os dentes
Espremê-las, uma a uma com a saliva que me resta
Hei-de suportá-las mesmo que me cortem a língua
E a sirvam aos cães pródigos da benevolência, a ira

Saberei à mesma escrevê-las
Nas flores de Maio, em pleno inverno
Antes do romper da frígida madrugada
Em punhos feitos de mármore escarlate

Hei-de desenhar nos escarros desta liberdade
Os nomes a carvão, onde Auschwitz calou os seus

Hei-de levantar a voz, engolir a palavra em seco
E vomitá-la onde a surdez, a cala, corrupta

Sem comentários:

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas