21 dezembro 2007

Somos sempre os últimos

A Comissão Europeia criou uma normativa (directiva 91/439/CE) para que seja possível a condução de motociclos até 125cc por possuidores de carta de categoria B (ligeiros).

A aplicação desta normativa traria vários benefícios:

- diminuição de consumos de combustível;

- diminuição dos níveis de poluição;

- diminuição dos problemas de transito;

- Menos dificuldade de estacionamento.

- Outro aspecto em termos de segurança, andarmos de mota torna-nos melhores condutores de carros.

- Menos carros na estrada significaria maior segurança para as motas (está provado que a maioria dos acidentes com motos são provocados pelos carros).

Portugal é dos poucos países da UE onde esta normativa está ainda por ser implementada.

A aplicação desta normativa traria um impacto grande ao nível da utilização das motas, particularmente das scooters no nosso país.

Ensaios lá fora

A Alemanha, que adoptou a medida em 1996, viu os seus níveis de mortalidade nas estradas serem reduzidos. Em 1995, a taxa de mortalidade neste país, a nível de motociclos, era cerca de 10% para 1 milhão de habitantes. Até 2001, o aumento da mortalidade foi de apenas 0.54%, números que revelam, não um agravamento significativo de mortes, mas sim, “um aumento exponencial de utilizadores de motos. Apurámos que as pessoas que começaram a utilizar a moto, eram condutores de automóveis”.

A Itália, país em que a circulação de motos é massiva, revelou-se um “caso paradigmático”: após a transposição da directiva 91/439/CE para o direito italiano, o crescimento da sinistralidade foi na ordem dos 3%. Valores reduzidos, que levaram as autarquias a promover a utilização das motos, cientes de que se não fosse tão elevado o número de utilizadores nas suas cidades, o fluxo de tráfego tornar-se-ia incomportável.

Em França, a adopção da directiva, trouxe consigo a apologia da utilização das motos, por parte das entidades oficiais. Por seu lado, em Inglaterra, a directiva veio permitir a utilização das motos sem o pagamento de portagem.

Os nossos vizinhos espanhóis decidiram pela adopção da directiva 91/439/CE, no passado ano de 2003. E fizeram-no, na óptica de João Lopes, “de forma interessante”. A resistência inicial à introdução da directiva na legislação espanhola, foi uma medida proteccionista: uma vez que a Espanha não possuía, nos seus fabricantes de motos, modelos que se encaixassem no âmbito da directiva, “o governo deu espaço para que a indústria espanhola desenvolvesse este tipo de veículos, para que, na altura em que fosse adoptada a directiva, fossem os próprios espanhóis a tirarem, desse facto, partido. O que, para os portugueses, acaba por ser uma lição”.

A scooter, mais do que qualquer outro tipo de moto, proporciona ao seu condutor uma agradável condução, circula a baixa velocidade não sendo tão prejudicial ao ambiente como os automóveis ou as motos de maior cilindrada. Além disso, é fácil de estacionar, cómoda e, uma vez que tem um consumo reduzido, a bolsa do utilizador não sofre tanto.

Vantagens da utilização de uma scooter:

• Utilidade do dia a dia
• Possibilita fáceis deslocações e manobras suaves
• Estacionamento garantido
• Simples de conduzir
• Segurança
• Aparência elegante
• A 4 tempos, sendo menos poluente
• Ligeiras, de peso reduzido
• De design simples, mas gracioso
• Preço mais acessível que as motos de alta cilindrada
• Ausência de mudanças
• Menos complexa de manusear do que outros modelos da mesma cilindrada (devido à ausência de mudanças)
• Os travões são manuais
• Boas performances
• Condução fácil e acessível
• Beleza e dinamismo
• Estrutura ligeira
• Simplicidade
• Baixos custos de manutenção
• Alta durabilidade
• Alto rendimento
• Conforto e fiabilidade

Para o vice-presidente da Federação Nacional de Motociclismo, António Manuel Francisco, Portugal só não adopta a directiva por “falta de coragem política”. “Os dirigentes políticos temem que a introdução de uma medida deste tipo provoque um aumento da sinistralidade. Contudo, esse acréscimo não se verificou nos Estados-membros que a adoptaram”, referiu. Segundo António Francisco, “70 por cento dos acidentes de moto ocorrem com a intervenção de um terceiro e, em 60 por cento dos casos, a culpa é do automobilista”. A possibilidade de conduzir um motociclo tornaria assim os automobilistas mais conscientes”, acrescentou António Francisco.

FIM DE BUROCRACIA
Para a Federação Nacional de Motociclismo questões burocráticas ligadas à necessidade de uma outra carta de condução para conduzir uma moto é a principal causa para que mais automobilistas não optem por comprar uma moto.

CINCO ANOS DE CARTA
Para a Federação Nacional de Motociclismo “um automobilista só deve circular com uma moto se tiver carta de condução há pelo menos cinco anos e se durante esse período não lhe tiver sido averbada uma contra-ordenação que indicie ser um perigo” na estrada.

ASSINEM A PETIÇÃO
Blogers: ajudem-me a divulgar esta petição. Pelo transito. Pela poluição. Pela economia. Pela segurança. MESMO QUE NÃO GOSTEM DE MOTOS!!!

9 comentários:

maravilhado.... disse...

CEMGFA pede a militares que vençam dificuldades com serenidade

O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), general Valença Pinto, fez hoje apelo aos militares portugueses para que saibam vencer as dificuldades «com serenidade, discernimento e firmeza» no próximo ano.

Na sua mensagem de Natal aos militares portugueses, divulgada hoje através do «site» do Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA), Valença Pinto afirma que o próximo ano «não se antevê isento de dificuldades».

No entanto, o CEMGFA promete que as Forças Armadas procurarão enfrentar e vencer essas dificuldades, com serenidade, discernimento, firmeza e determinação, de forma a dar respostas oportunas e eficazes às missões e às tarefas« lhes forem atribuídas.

»As circunstâncias económicas que o País vive, e os seus efeitos nas Forças Armadas, aliados aos desafios e às exigências que o ambiente político, estratégico e tecnológico envolvente coloca a Portugal, impõem respostas prontas e qualificadas«, alega o CEMGFA.

No entanto, Valença Pinto garante que os militares portugueses olham o futuro com »um sentimento de esperança« numa mensagem natalícia em que saúda todos os que estão destacados no Afeganistão, Kosovo e Líbano ou em missões na Bósnia, Iraque, Congo, Sudão e Timor-Leste »a favor da paz, da segurança e do bem-estar de povos em conflito«.

O general Valença Pinto, até então Chefe do Estado-Maior do Exército, tomou posse a 05 de Dezembro de 2006, sucedendo ao almirante Mendes Cabeçadas.

In Diário Digital

Mário Relvas disse...

A TODOS OS QUE AQUI PARTICIPAM:


Mais uma vez vos envio votos solidários durante 365 dias do ano, juntamente com a família e amigos.

Que a todos não falte trabalho para o ano que vem, que a saúde nãos vos abandone.

Que deixemos de ser hipócratas e pratiquemos o Natal TODOS os dias do ano de 2008!


FELIZ NATAL PARA A VOZ DO POVO COM AROMAS DE PORTUGAL

M
Á
R
I
O

R
E
L
V
A
S NECAS E BRUNO

Mac Adriano disse...

Somos sempre os últimos? Não, apenas somos sempre os últimos naquilo que não devíamos ser. Quando se trata de cobrar mais impostos, o governo português é sempre o primeiro. Tomar medidas boas para os cidadãos? Era o que faltava! Então agora o governo vai implementar uma lei que vai lixar o negócio às escolas de condução? Não senhor, o Sótraques está na vanguarda, mas é na dos impostos e outras coisas que façam sair o dinheiro dos bolsos dos lorpas portugueses.

Maria Faia disse...

Estimados Amigos,

Assino a petição sim. Sempre por causas justas!
E, porque é Natal, apesar de, para mim, esta ser uma época em que a tristeza se acentua, como expresso em http://wwwquerubimperegrino.blogspot.com/2007/12/estimados-amigos-amizade-um-elo-que-no.html não posso deixar de desejar aos Amigos, Festas Felizes e um Ano Novo repleto de realizações pessoais e profissionais.

Um abraço,
Maria Faia

SILÊNCIO CULPADO disse...

Venho desejar-te um Feliz Natal com tudo o que de bom ambicionares.

Pata Negra disse...

Também já aderi à iniciativa.
O Rei dos Leittões deseja a este blog um Natal cheio do-que-ouves e um Ano Novo cheio de propriedades.
Um abraço da pocilga

Tiago Carneiro disse...

FELIZ NATAL
E
UM BOM ANO DE 2008

São os votos do
DEMOCRACIA EM PORTUGAL

Abraço
Tiago

O pensador disse...

Venho desejar a todos os coloboradores deste Blogue,um feliz natal e um próspero ano novo.

Sobre a licença das motorizadas,creio que o medo dos nossos governantes é claramente a quebra de receitas nos impostos dos produtos petroliferos.
Se houver mais motas e menos viaturas a circular,vende-se menos gasolina e Gasóleo,logo...menos dinheiro de impostos.

A desculpa deles é pura conversa de chacha,em toda a minha vida nunca vi nenhum governante ou politico português preoccupar-se com a segurança rodoviária ou com a vida das pessoas (a não ser que sejam da familia deles..)

Se calhar é por isso que,cada dia que passa,o povo português parece estar cada vez mais interessado nas leis que estão a ser aprovadas na espanha e já nem liga muito ao que se passa aqui no nosso país.
(para bom entendedor meia palavra basta..)

Abs

A. João Soares disse...

Boas Festas ao blog «A Voz do Povo» com votos de que todos os colaboradores, visitantes e comentadores passem um Feliz Natal e que o Ano 2008 traga o que houver de melhor, em todos os aspectos.
Certamente os governantes não deixarão de continuar a dar bons motivos para posts patrióticos a puxar pelo patriotismo dos cidadãos!
Abraços com espírito natalício
A. João Soares

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas