01 janeiro 2009

Sonho cristalino

Quando fecho os olhos
Sinto o silêncio da tua alma no meu corpo
E a brisa fresca da noite gela-me os sentidos
Perco a noção da vida, esqueço-me de viver.
A madrugada leva-me longe,
Longe do mundo e da saudade,
Dos gritos frios da monotonia.
Quanta calma, quanta paz
Abraça o meu cansaço
E despe de mim as roupas da nostalgia
Lá longe não sei aonde, aonde tudo é cristalino
Como as águas que nascem no horizonte.
Os desejos são eternos e as vontades mendigam
São como a luz de quem não vê e os olhos
Que tudo invejam
Quando fecho os olhos, não durmo, viajo
Para lá da eternidade...

Conceição bernardino

2 comentários:

Ana Martins disse...

Um sonho cristalino onde se despe a nostálgia que por vezes vestimos durante o dia...

Muito lindo!

Beijinhos

victor simoes disse...

Olá Conceição, mais um poema, de sonhos e para o sonho! É bom sonhar, sonhar acordado e o " sonho comanda a vida "!

Bom 2009, para ti que te traga tudo de bom e que se realizem os teus sonhos e desejos.

Bjs

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas