02 junho 2008

Filhos da droga

Deambulando pelas ruas,
Dormindo ao relento,
De alma despida, nua
Lutando contra o tempo.
Á noite pela estrada fora,
Perdidos a olhar o céu
Filhos do álcool, da droga
De um mundo que escureceu.
O luar se foi embora,
Mais um dia amanheceu
Filhos da desgraça
Que fazer agora
Se a coragem também se perdeu?
Veias salientes,
Olhos esbugalhados,
Pernas dormentes,
Sorrisos apagados.
Vidas sem vida
Que se deixaram prender
Nas teias do veneno
Que lhes foram vender.
Pais dos desespero, da sida,
Do perder por perder,
Da impotência e sofrimento
De quem os viu nascer!

Escrito a 27 de Maio de 2008
Ana Martins

1 comentário:

Silvia Helena disse...

David Santos,

Obrigada por deixar comentário no blog E.J.A.
Dei uma passadinha pelo seu e achei super.
Vou olhar novamente com mais calma.
Esse texto combina muito com a redação do aluno da professora Kátia.
Abraços.

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas