07 junho 2008

HAVERÁ SAÍDA?


Cai a cortina do silêncio
Sobre a solidão do mundo.
O cenário da morte
O palco da desgraça
Que jazia silencioso
Atrás de um muro cinzento
Onde a vergonha se esconde
E o medo se instala
No túmulo da ignorância
E do obscurantismo.
É o abrir das portas
Correr as cortinas do silêncio
Agora há que sair
Libertar o barulho do medo
Da inquietação
Da revolta.
Mas haverá saída?

Mário Margaride

2 comentários:

victor simoes disse...

As cortinas do silêncio, estão bem presentes nos tempos que correm, a demonstra-lo está a falta de solidariedade dos portugueses. Os medos da repressão, os fantasmas do passado e uma grande ignorância, contribuem efectivamente para a manutenção do silêncio.
A saída, não se vislumbra... a luz ao fundo do túnel, só mesmo com um agitar de consciências e essa é mesmo uma tarefa ciclópica, mas não impossível.

Parabéns, Mário Margaride pelo poema.

Ana Martins disse...

Tens razão Victor é uma tarefa ciclópica não impossivel, mas muito distante.
Parabéns, Mário Margaride por este excelente poema.
Ana Martins

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas