05 setembro 2008

Portugal visto de Espanha. AS VERDADES OCULTAS EM PORTUGAL

(DES)DITOSA PÁTRIA MINHA AMADA.....
Lisboa, 21 Set (IPS) - indicadores económicos e sociais periodicamente divulgados pela União Europeia (UE) colocam Portugal em níveis de pobreza e de injustiça social inaceitável para um país que integra desde 1986 o "clube dos ricos" no continente Europeu. Mas o golpe de misericórdia foi a avaliação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE): Portugal, nos próximos anos distanciará ainda mais de si próprio os países avançados. A produtividade mais baixa da UE, fraca inovação e vitalidade do sector empresarial, a má educação e à formação profissional, de desvio de fundos públicos, derrapagens e os maus resultados são dados salientados pelo relatório anual sobre Portugal, para a OCDE. Ao contrário Espanha, Grécia e Irlanda (que formam também parte do "grupo dos pobres" da UE), Portugal não conseguiu ter um financiamento significativo, com o seu desenvolvimento na comunidade, que fluiu ininterruptamente a partir de Bruxelas por quase duas décadas.

Em 1986, Madrid e Lisboa aderiram à então Comunidade Económica Europeia com taxas semelhantes de desenvolvimento relativo, e apenas uma década atrás, Portugal era um lugar mais elevado do que a Grécia e a Irlanda, no ranking da UE. Mas em 2001, tenha foi ultrapassado por esses dois países, enquanto a Espanha está localizado a uma curta distância da média do bloco. "A convergência do Português com a economia mais avançada do ECO parece parado nos últimos anos, deixando uma lacuna significativa na renda por pessoa", diz a organização.

No sector privado, dos bens de capital não são sempre utilizados de forma eficaz ou estão localizados e as novas tecnologias não forem tomadas rapidamente ", afirma a OCDE. " Portugual tem menos educação formal do que os trabalhadores de outros países da UE, incluindo os novos membros da Europa Central e Oriental", disse o documento. Todas as análises sobre os valores investidos concordam que o problema central não está nos montantes, mas nos métodos de distribuição. Portugal gasta mais do que a grande maioria dos países da União Europeia em matéria de indemnizações para funcionários públicos, originando que o seu produto interno bruto, não consiga melhorar significativamente a qualidade e a eficiência dos serviços. Com mais professores por aluno, não consegue dar uma educação competitiva e de formação comparando com o resto dos países industrializados.

Nos últimos 18 anos, Portugal foi o país que recebeu mais benefícios per capita em cuidados comunitários. No entanto, após nove anos, em vez de aproximar os níveis da UE começou a cair e hoje as perspectivas apresentam maior distância. Onde foram parar os fundos comunitários?, É a pergunta insistente em debates televisivos e colunas de opinião nos principais jornais do país. A resposta mais comum é que as carteiras de dinheiro engordam aqueles que já tinham mais. Os números mostram que Portugal é o país da UE com maior desigualdade social e com os mais baixos salários mínimos e ficando a meio do bloco, pelo menos até 1 de maio, quando foi prorrogado de 15 para 25 nações. Também é o país do bloco em que gestores de empresas públicas têm salários mais elevados. O argumento mais frequente dos executivos indica que "o mercado é que decide o salário".

Consultado pelo IPS, antigo ministro das Obras Públicas (1995-2002) e actual vice-socialista João Cravinho negou essa teoria. "São os administradores que definem os seus próprios salários, não podemos carregar a culpa sobre o mercado," disse ele. Nas empresas privadas com participação do governo, do estado ou em privado com os accionistas minoritários dos executivos, estabelecem os seus vencimentos astronómicos (alguns chegam a 90.000 dólares por mês, incluindo os prémios e royalties), com a cumplicidade dos accionistas de referência ", afirmou Cravinho. Estes mesmos grandes accionistas, "são dois altos executivos, e todo este sistema, basicamente, é em detrimento dos pequenos accionistas, que faz com que uma grossa fatia dos lucros vá para contas bancárias dos gestores' lamentou o ex-ministro. Esta situação de desigualdade surge cada dia com os mais variados exemplos. A última é a crise no sector automóvel. Os comerciantes queixam-se de uma queda de quase 20 por cento nas vendas de automóveis de baixa cilindrada, com preços entre 15.000 e 20.000 dólares. Mas representantes das marcas de luxo como Ferrari, Porsche, Lamborghini, Maserati e Lotus (veículos valor superior a US $ 200.000), lamentam a oferta não poder dar para todos os pedidos, tendo um aumento de 36 por cento da procura. Estudos sobre a tradicional indústria têxtil Lusa, que foi um dos mais modernos e de mais qualidade no mundo, demonstram o seu impasse, porque seus empregadores não fazem os ajustes necessários para actualizá-lo. Mas a zona norte onde se concentra a indústria têxtil, tem mais carros por metro quadrado que a Ferrari na Itália.

Um executivo de tecnologia da informação espanhol, Javier Felipe, disse à IPS que, em sua experiência com empresários Portugueses, eles "estão mais interessados no projecto que é a imagem do que com resultado do seu trabalho". Para muitos é mais importante é conduzir automóvel, o cartão de crédito que pode usar para pagar uma conta ou modelo de telefone celular, do que a eficiência da sua gestão, "disse Philip, esclarecendo que há excepções. Tudo isto está a criar uma mentalidade que, em última instância, afecta o desenvolvimento de um país ", considerou. A evasão fiscal é outro aspecto. A impunidade tem castrado investimento do sector público com potenciais efeitos positivos na superação da crise económica e de desemprego, que este ano chegou a 7,3 por cento da população economicamente activa. Os únicos contribuintes para os cofres do Estado são os trabalhadores contratados, que deixam grande parte do salário retido na fonte de trabalho. Ao longo dos últimos dois anos, o governo decidiu entregar a carga fiscal sobre essas cabeças, mantendo situações "obscenas" e "escandaloso", segundo o economista e comentarista de televisão António Perez Metella. "Em vez de anunciar progressos na recuperação dos impostos daqueles que continuam rindo na cara do Tesouro, o governo (conservador) decidiu tomar uma maior fatia do mesmo àqueles que já pagam o que é devido, e deixa intacta a nebulosa de fugitivos procuradores, sem coerência ideológica, sem visão para o futuro ", criticou Metella.

O teste é explicado no parecer uma coluna de José Vitor Malheiros. Segundo esses documentos entregues às autoridades fiscais, médicos e dentistas relataram renda média anual de 17.680 euros (21.750 dólares), os advogados 10.864 (13.365 dólares), os arquitectos de 9.277 (11.410 dólares) e engenheiros de 8.382 (10.310 dólares). Esses números indicam que por cada seis euros para pagar os impostos, "roubam nove para a comunidade", uma vez que esses profissionais não dependentes deveriam de contribuir com 15 por cento do total do imposto sobre o rendimento singular e pelo trabalho tributado, descontando apenas seis por cento disse Malheiros.
Com o retorno dos impostos para fechar um ano fiscal, eles "roubam mais do que pagam", disse com sarcasmo. Se um país "permite que um profissional liberal com duas casas e dois carros de luxo declare rendimento de 600 euros (738 dólares) por mês, ano após ano, sem ser questionado, no mínimo por parte do Tesouro, e recebe uma bolsa do Estado para ajudar a pagar escola particular para os seus filhos, significa que o sistema não tem moral ", exclamou.

Este texto foi-me enviado por e-mail, pelo meu amigo Ary Carvalho. Em nome dos colaboradores e leitores deste blogue, muito obrigado.

Tradução de Luís Teixeira
do Texto original

8 comentários:

Paula disse...

Bom!
Estive a ler o texto e realmente referem-se factos que todos sabemos, mas em que os responsáveis por resolver de forma justa a situação, que fazem parte do governo, nada fazem.

Teremos nós um governo corrupto?...
A verdade é que a classe média está cada vez mais atolada em dívidas e a classe baixa gera delinquentes desempregados, que se vão associando em grupos aqui e ali, para sobreviverem nesta sociedade, cada vez mais violenta!
O governo não está a apostar na prevenção destes casos...e isso é urgente...

Abraço
Parabéns pelo blog.


Abraço

lumadian disse...

Muito interessante. Isto mostra bem a classe politica do nosso país seja ela de que quadrante for.
Peço desculpa, mas tive de utilizar este texto para o meu blogue.
É caso para perguntar, afinal o que vamos nós fazer às urnas?
Não será já tempo de ninguém pôr os pés nas urnas em dia de eleições? Só assim se pode mostrar a essa corja que ninguém os leva a sério!

Beezzblogger disse...

Meu amigo Lumadian desculpe não concordar consigo, mas eu que sou meio revolucionário, e há quem me chame inteiro, era da mesma opinião, faltar às eleições, mas não, não é esse o caminho, porque daríamos aos políticos de caca uma arma, estava-mos a demitir-nos de uma conquista da liberdade, o voto. Era ir às urnas, e votar em branco, ou nulo, isso daria a bofetada de luva branca a esta corja neoliberalista sanguessuga que nos tem governado, e mal.

Quanto ao texto, obrigado amigo Victor por partilhares connosco esta pérola, pois a Espanha, olha para nós e não compreende quase 600 anos de história onde fomos melhores em tudo, e agora por meia dúzia de bajuladores e oportunistas somos a escória da EUROPA.


Abraços do Beezz

david santos disse...

Não ir votar? - Não. nem pensar! Isto era o que eles queriam. Ir votar sim. Mas trocar o sentido do voto. Dizer-se que os partidos são todos iguais é, no mínimo, uma "fuga para o lado". Já quando eu digo "era o que eles queriam", isto é uma pura verdade. - Mas por quê? - pergunto eu -, porque eles têm lacaios em tudo quanto é sítio: ciganos, ladrões, muitos funcionários públicos, nomeadamente, das autarquias que são filhos do mesmo cão. Não ir votar, ainda que alguns incautos OU NÃO; digam isso, é a mesma coisa que os querer manter no poder. Como diz o texto, nós já estamos bem cheios deles... ladrões? Não. Vamos votar, mas votar em quem nunca nos roubou, porque os partidos não são todos iguais. Era o que faltava!
Abraços.

David Santos

Odele Souza disse...

Passei para deixar um abraço para os amigos deste blog que tanto têm prestigiado o blog de Flavia.

O Guardião disse...

Li atentamente o artigo e concordo com quase tudo o que lá está escrito e com os comentários. Quanto às despesas do Estado, com funcionários, e refiro-me aos verdadeiros funcionários e não aos lá colocados por confiança política ou outros artifícios de legalidade duvidosa, penso que seria de toda a utilidade consultar as despesas em serviços contratados a privados, não só na área da saúde (onde o escândalo é público), mas também nas acessorias (jurídicas, de imagem, ou até técnicas), onde hoja se gastam verdadeiras fortunas, que são gastos contabilizados no fecho dos orçamentos como despesas com pessoal, mas que durante o ano constam como aquisições de serviços. Para que conste, o meu lugar antes da reforma é hoje preenchido por um gabinete privado com cinco elementos a tempo inteiro, e os cargos de chefia do meu tempo foram multiplicados por três, o que bem contabilizado resulta em 10 vezes os gastos anteriores, sem considerar outras alcavalas, como inspecções e reformulações de projectos, etc.
Cumps

مركز خدمة المدونين العرب disse...

hi

david santos disse...

Ó Victor, este blogue em Árabe tem os meus contadores... o que é que se passa?
Quem souber que me explique, por favor!
Obrigado.

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas