13 setembro 2007

Ninguém está acima da lei

A afirmação deste título é normal em todo o país democrático, moderno, de Direito, mesmo que situado nos antípodas. Mas não podemos concluir que isso aconteça entre nós, como foi referido nos posts Lei aplicada com filtros e Corrupção em vários níveis.

Nas Filipinas, o ex-presidente Joseph Estrada, de 70 anos, acusado de corrupção, foi ontem condenado a prisão perpétua por um tribunal de Manila, seis anos após ter sido afastado do poder por uma revolta apoiada pelo exército e pela Igreja Católica. Isto vem ao invés de estados de menor consciência cívica em que os «crimes de colarinho branco» ficam frequentemente impunes.

Também na Coreia do Sul, em Agosto de 1996, os ex-presidentes Park Chung Hee e Roh Tae-Woo ouviram, respectivamente, a sentença de condenação à morte e a de 22 anos de prisão devido a crimes de corrupção no exercício das funções desempenhadas como Presidentes. Vale a pena referir que Park Chung Hee foi o homem forte do país no período de 1962 a 1979, dirigindo a política económica por forma a levar a Coreia a dar um grande salto em frente para recuperar da destruição sofrida durante a guerra. As orientações económicas foram engenhosamente adaptadas conforme as fases de desenvolvimento até transformar o país numa potência de exportação de indústria de ponta. Passou de um fase de controlo centralizado para uma liberalização progressiva. Mas, apesar de tal direcção positiva, não foi perdoado ao presidente alguma atenção recebida de empresário beneficiado.

Quanto a Roh Tae-Woo, foi presidente desde 1987 a 1993, tendo desencadeado um activo combate à corrupção que estava a criar algumas dificuldades à competitividade entre as diversas empresas. Porém, não resistiu a receber atenções de empresários e o tribunal agiu com a isenção de uma Justiça séria.

São três casos vindos dos lados do Pacífico, de países com os quais temos muito a aprender. Por vezes, países que menosprezamos como sendo do terceiro mundo, mostram-nos estarem uns degraus à frente e acima de nós, europeus, ocidentais e convencidos de sermos os melhores em tudo.

6 comentários:

j. gonçalves disse...

Até nas Filipinas, na Coreia do Sul, combate-se a corrupção, e outros crimes praticados, mas neste País, esconde-se a Verdade!!!

Beezzblogger disse...

Concordo plena e convictamente no que diz. Afinal que estado de direito saremos nós???

Abraços do beezz

A. João Soares disse...

Caros J. Gonçalves e Beezz,
São estas comparações que deviam envergonhar os nossos políticos de todos os partidos que têm passado pelo governo, bem como os juízes que só procuram aumentar as suas regalias e, para isso, não querem melindrar os que ocupam os poderes executivo e legislativo.
E o caso é tão flagrante que um deputado que propôs legislação contra a corrupção foi deslocado para um «exílio dourado» a fim de não incomodar o doce ambiente em que vivem os privilegiados.

Um abraço

O pensador disse...

Mas sr Soares,já viu se em Portugal acontecesse a mesma coisa e os corruptos fossem todos presos?

Quem é que ia governar o país?
Não ía sobrar ninguém!

Mas se calhar até nem será má ideia,assim entregariamos o país aos espanhoís mais cedo do que o previsto...

Joana Dalila Santos disse...

Combater a corrupção em Portugal é anedótico! Imagino os grandes corruptos deste país à hora de almoço a rirem à gargalhada da ideia, entre dois copos de vinho do bom!

A. João Soares disse...

Caros Pensador e Joana Dalila,
Têm muita razão!!!
E a confirmar as vossas doutas opiniões, temos o caso do Eng (propriamente dito) João Cravinho.
Um abraço e Bom fim-de-semana

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas