22 abril 2009

Cega-me a foice…

As terras áridas de centeio
correm-me nas veias,
o negro espalha-se
pelos campos da fome,
gela-me o frio
sobre as palhas
do trigo sem sustento.

Cega-me a foice…
…na cegueira da colheita

Os trigais secaram
na boca de quem os alimenta,
as mãos enrugadas
carregam o fardo
no vazio
das cinzas avermelhadas
queimadas em solidão.

Cega-me a foice…
…na cegueira do nada
que me resta.

1 comentário:

Marcela Isabel Silveira CRN2: 6225P disse...

Olá Conceição, que lindo poema!
Adorei e meus parabéns!
Fique com deus!
Beijos

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas