13 abril 2007

Cruzes sem lágrimas



“Mortes que ninguém chora”

Corpos desconhecidos, abandonados pela solidão das fraquezas que se vão degenerando em vícios.
Sobre a piedade das esmolas, que rasgam a sujidade de corpos moribundos que caem numa esquina qualquer.
As garrafas quebram-se; em réstias azedas pelo álcool derramado.
As cruzes levantam-se com um número qualquer sobre um túmulo de terra batida.
O velório é uma inexistência, os coveiros soltam mais um corpo, que já ninguém procura e ali jaz mais uma alma penada da qual já não resta nada.
As lágrimas ficaram caídas num portal qualquer, onde as ruas despiram mais, um pobre, um pedante, desconhecido, um qualquer sem abrigo.
Ninguém, a procura nas enregeladas morgues.


Conceição Bernardino

2 comentários:

MRelvas disse...

Ouça o disco do Pedro Abrunhosa... sobre o olhar o Porto...

Já escrevi isso há muito, mas ficou bem explícito com aquele trabalho do Pedro.

Um belo texto São.

Beijinhos e felecidades para as vendas do seu livro!

Mário Relvas

victor simoes disse...

E temos escrita e escritora. Felicidades Conceição e muito sucesso é o que lhe desejo.

Cruzes sem lágrimas de mortos que ninguém chora, alguns são infelizes até no último adeus!

Um bj

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas