12 abril 2007

Opinião: A Maravilha de Portugal

A verdadeira maravilha que o País tem para apresentar, capaz de competir à escala mundial, ficou esquecida: a sua faixa costeira.

Pedro Adão e Silva

Está a decorrer, através de votação na internet, um concurso para apurar as 7 novas maravilhas do mundo (2200 anos depois da escolha inicial) e, em simultâneo, as 7 maravilhas de Portugal. Sem que nada o obrigasse, entre as 77 maravilhas portuguesas nomeadas, todas elas são fruto da construção humana. Acontece que a verdadeira maravilha que o País tem para apresentar, capaz de competir à escala mundial, ficou esquecida: a sua faixa costeira. Essa, contudo, não resultou da construção humana. Pelo contrário, a mão humana tem-se empenhado activamente em destruí-la.

Por uma sinistra coligação de inércia e desarticulação do poder central, desinteresse das populações e terrorismo urbanístico do poder local, tudo temperado por uma ideia perversa de progresso, a costa portuguesa tem sido paulatinamente destruída. Do Norte a Sul, os exemplos de verdadeiras maravilhas destruídas pela acção do homem estão aí para nos envergonhar enquanto País. Quando se procura finalmente intervir, é já demasiadamente tarde. Como se não bastasse, nem sequer somos capazes de aprender com os erros do passado. A tentação para destruir a Costa Alentejana, do mesmo modo que foi destruído o Algarve, é prova disso mesmo.

Esta tendência é tanto mais estranha quanto diversas comissões e planos de desenvolvimento reiteram o papel do Mar como recurso estratégico para Portugal e o turismo, que entre nós está muito associado à praia, como ‘cluster’ de excelência para o desenvolvimento do País. Acontece que estas prioridades chocam numa política de quase abandono da nossa faixa costeira.

Quantos países ocidentais têm a fortuna de ter a sua capital rodeada por um extenso areal, com um clima ameno quase todo o ano? Que em lugar de se valorizar esse potencial, se tenha escolhido, ao longo de muitas décadas, primeiro, a construção abarracada e o caos urbanístico e, depois, o abandono ambiental, é inaceitável. Provavelmente, não haverá muito a fazer hoje para salvar a orla costeira, o que aliás só revela a nossa miopia nacional.

É a gestão do nosso litoral: ausência de uma intervenção preventiva atempada, que leva a que nos vejamos confrontados com casos extremos de degradação, perante os quais só são possíveis intervenções de emergência, que se limitam a remediar dinâmicas imparáveis. De pequeno desastre em pequeno desastre até ao inevitável desastre final. Que colectivamente tenhamos escolhido abandonar as maravilhas de Portugal, optando, por inércia ou acção, por um caminho assente na degradação do território, continua a ser, em pleno século XXI, sinal de que continuamos demasiadamente pobres.
____

*Pedro Adão e Silva, Investigador do Instituto Universitário Europeu

1 comentário:

Entre linhas... disse...

O mesmo facto reside na zona onde habito,onde a indústria petrolífera está a desvastar as belas paisgens da costa vicentina.

Bjs Zita

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas