16 janeiro 2007

ENERGIAS ECOLÒGICAS



Segundo o relatório da Rede Eléctrica Nacional (REN), seis por cento (6%) da energia eléctrica total consumida em Portugal durante o ano 2006 foi de produção eólica. Em 2006 entraram em actividade 36 novos parques eólicos.

Trata-se de uma notícia agradável, por ser uma energia ecológica, limpa, amiga do ambiente. Só é de lamentar que o recurso a esta origem de energia, tão abundante por todo o país, tivesse sido sucessivamente adiado pelos políticos ignorantes e complexados que não tiveram argumentos nem coragem para enfrentar os autodenominados «ecologistas» que tudo empatam para se sentirem e mostrarem importantes e que, neste caso, apontavam o perigo que os geradores representariam para as aves que seriam atropeladas pelas pás das hélices. Coitados! Pensavam que as aves eram «tapadas» como eles! Porém, agora que há muitos aerogeradores a funcionar, não consta que nos referidos parques haja montes de cadáveres de aves mortas pelos geradores! Ou estarei enganado? Também não consta que a fauna aérea tenha sofrido uma perigosa redução, com prejuízo para o equilíbrio das espécies, devido ao aumento dos parques.

Mas as pressões de grupos ditos «intelectuais», alheios aos verdadeiros interesses nacionais, aliadas à incapacidade dos governantes, têm prejudicado o desenvolvimento da economia e a melhoria da qualidade de vida, com gastos enormes, como aconteceu no adiamento da barragem do Alqueva, na paragem das obras da barragem de Foz Côa, no adimento da barragem do Baixo Sabor e da barragem de Odelouca, nos custos do túnel de Belas na CREL e da compra da Pedreira do Galinha na Serra de Aire para proteger pegadas de dinossáurio que ninguém visita e de que ninguém fala, e no adiamento da central nuclear, inicialmente prevista para Ferrel (Peniche), e no tempo perdido até o Governo se decidir pela escolha do traçado da auto-estrada A2 para o Algarve, etc.,etc.

Mas, agora, que se fala nos perigos da poluição para o ambiente e pra as mudanças de clima, já se aceita a energia eólica e deixou de se ver os perigos para as aves. E conclui-se que, se houvesse mais senso, saber e coragem, o País não estaria a chapinhar no pântano, como infelizmente, está.

2 comentários:

victor simoes disse...

Andamos muito lentos... as decisões atempadas, são uma mais valia, para quem quer seguir o pelotão da frente. Os tempos actuais não se compadecem com marasmos e inoperatividade.
Portugal aínda sofre de muito atraso estrutural e sobretudo mental.

MRelvas disse...

Caro João Soares,

é evidente que lhe dou toda a razão.

Portugal é refém de meia de dúzia de intelectuais que já herdaram o feudo político de alguns familiares que muito contribuiram para o isolamento da economia portuguesa apesar de dizerem que estamos na EUROPA!

A energia e outros sectores foram puramente ignorados em favôr do parece bem!

Assim seja...temos que lhes dar um valente pontapé!

Como diz o povo nem 10 Salazares chegavam para reerguer o país depois de tantas asneiras...entretanto referende-mos o aborto!!

Abraço
MR

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas