02 janeiro 2007

"NEVOEIRO"

Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,
Define com perfil e ser
Este fulgor baço da terra
Que é Portugal a entristecer -
Brilho sem luz e sem arder,
Como o que o fogo-fátuo encerra.

Ninguém sabe que coisa quer.
Ninguém conhece que alma tem,
Nem o que é mal nem o que é bem.
(Que ânsia distante perto chora?)
Tudo é incerto e derradeiro.
Tudo é disperso, nada é inteiro.
Ó Portugal, hoje és nevoeiro...

É a Hora!

Fernando Pessoa 10/12/1928

5 comentários:

david santos disse...

Lindo, bezz.
Grande poema.
Abraços.

MRelvas disse...

OLá beezz,o Fernando tem poemas fantásticos...e nunca estiveram tão actuais!

Será por isso que bebia uns canecos e se suicidou?

Pena...

abraço

Mário

Beezzblogger disse...

Será?

Abraços amigo Relvas

JOSÉ FARIA disse...

Pessoa sempre actual!
(...) "É hora!"
Mas a hora não chega. Pois, enquanto houver brilho sem luz e sem arder....

Sempre actual e a tentar despertar quem dorme!

José Faria

victor simoes disse...

Vem bem a propósito, do que se passa neste cantinho à beira-mar plantado!
O Durão, agora já trocou de opinião outra vez, agora já critica os promotores das guerras... será que o homem se quer candidatar a Prémio Nobel da Paz? A esposa bem que o baptizou de "Cherne", o homem joga para o lado que lhe convém, não mantém uma linha coerente.
Como ele a deriva, anda a nossa "classe" política! Desclassificados!!!

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas