08 março 2007

Porque será?....


Ota: «Estão a mentir-nos»

Patrícia Pires in Portugal Diário

Eram tantas as vozes a criticar a Ota, que resolveu juntar, em livro, a opinião de especialistas. Conclusão é clara: novo aeroporto de Lisboa apresenta deficiências, sob uma «campanha de desinformação total»

MAIS:
Portela tem «bons ventos»
OTA afasta turistas de Lisboa
O interesse pela Ota nasceu há pouco tempo e Mendo Castro Henriques deixou-se seduzir pela grande oposição em torno do novo aeroporto de Lisboa. «A comunidade científica tomou uma posição de cidadania - contra - e isso é uma novidade», confessa ao PortugalDiário.
Quanto mais falava com engenheiros, geólogos ou ambientalistas mais este director do Instituto de Defesa percebia que «a Ota é um caroço muito desagradável, quase um tumor. Por todas as deficiências e desvantagens que apresenta em relação à Portela e às outras possibilidades de localização» a Ota parece-lhe que devia ter sido a última escolha. «Porquê esta fixação na Ota?», pergunta.
Mendo Castro Henriques é doutorado na área da Filosofia, docente da Universidade Católica e, desde 2003, dirige o Departamento de Investigação de Defesa, do Instituto de Defesa Nacional. Para Abril, está prevista a publicação, pela editora Tribuna, do seu livro provisoriamente intitulado «Ota não! Portugal sim!». Um trabalho que vai reunir pareceres de toda a comunidade científica sobre o projecto.
Navegabilidade
«Por que é que a Força Aérea nunca aproveitou a Ota e mandou as esquadras de caças para Monte Real? Por que é que a Ota tem a pista mais comprida do país, 3600 metros?». «Pelas dificuldades de navegabilidade», em muito originadas pelo Monte Redondo explicou ao docente da Católica o Major General Kruz Abecassis, licenciado em engenharia e ligado à Força Aérea, onde desenvolveu vários estudos sobre navegabilidade dos aeroportos militares.
O professor Castro Henriques explicou também ao PortugalDiário que «nunca foi instalada uma estação meteorológica para conhecer os dados exactos da região». O que se sabe é por fontes indirectas e estas são claras: «A Ota tem um regime de ventos complicados, tem nevoeiros e uma exposição de luz solar incomparavelmente inferior à Portela».
E a insegurança dos aviões sobrevoarem zonas de Lisboa a baixa altitude? «Falso argumento». De acordo com o actual projecto do novo aeroporto da Ota «os aviões vão passar no Carregado como passam agora em Lisboa. A cidade tem já 30 mil habitantes, que podem duplicar, e prédios de 12 andares. Aí já não há perigo de queda?», questiona.
«Preparem os hidroaviões»
«Mas a Ota tem mais problemas», continua o professor, «um estudo de António Brotas, engenheiro do Instituto Superior Técnico, mostra que as pistas vão precisar de drenagem». A área é pluviosa, com uma concavidade. «Os poços de brita costumam ser usados nestas situações, mas aqui as três ribeiras em redor não desaparecem e pode acontecer como no túnel do Terreiro do Paço. O lodo sobe pelos poços e a água não desce. Ou seja, preparem os hidroaviões», afirma ironicamente.
Em seguida, o autor do livro recorda que o aeroporto vai ser construído «em leito de cheias o que vai exigir a remoção de um volume de terras equivalente a um campo de futebol com 13 km de altura».
«Estão a vender-nos uma mentira e é preciso que as pessoas saibam isso», acusa o professor. Há especialistas que defendem que «a saturação da Portela é uma campanha de desinformação total e que esta tem possibilidades de expansão» continua.
«Na Ota conseguiu-se fazer tudo errado, o que só mostra os interesses brutais que estão lá e aqui para a urbanização da portela».
PORQUE SERÁ?...

4 comentários:

A. João Soares disse...

A pergunta porque será? é muito inteligente. A resposta poderá ser obtida no registo predial, investigando quem adquiriu terrenos na área abrangida pelas expropriações para a construção do aeroporto, nos últimos 10 ou 15 anos.
Depois surge a pressão dos construtores civis que, bem vistas as coisas, são os donos do País, os financiadores dos partidos, os agentes mais interessados na corrupção, a seguir os políticos.
É curioso que todos dizem que o país está podre, mas, ao analisar casos pontuais, procuram a lógica e a racionalidade, em vez de procurar perceber as manobras tortuosas dos interesses pessoais, inconfessados.
Que Deus nos ajude, se puder.
Cumprimentos
A. João Soares

D.A. disse...

Caros.
O que realmente me faz rir no meio disto tudo é que estamos a falar de 60% dos 80% (restantes 40% dos 80%, são para o TGV) que vão "pelo cano abaixo". Isto sim é o mais fulcral caso de "deitar dinheiro a rua". "Com tantas obras para serem feitas em casa e eles apenas pensam em arranjar o jardim". Na realidade o país não está podre porque ele nunca esteve saudável.

Comprimentos.
Domingos Araújo.

Bendix2006 disse...

É uma pouca vergonha, já existe um estudo de diversos especialistas que alertam para o facto de a OTA, ser um embuste. Todos nós vamos pagar bem caro e as gerações futuras hipotecadas.
Parece que o Engenheiro, que afinal parece que não é engenheiro, quer afundar Portugal.

Anónimo disse...

Esse palhaço não é o mesmo autor do livro do Duarte Pio e que agora anda a rasca por causa do site www.reifazdeconta.com

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas