28 dezembro 2006

MAIS UMA...


"MAIS UMA CRIANÇA, SUCUMBIU... HOJE AINDA NÃO SE SABE DE FOI DERIVADO AOS MAUS TRATOS, O QUE É CERTO É QUE A FAMÍLIA JÁ ESTAVA REFERENCIADA POR MAUS TRATOS, ISTO SEGUNDO A COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE MENORES, HÁ JÁ 15 DIAS"

QUANTAS MAIS TERÃO DE PERDER A VIDA, PARA QUE REALMENTE, ESTAS COMISSÕES, ORGANISMOS, AUTORIDADES, JUÍZES, GOVERNO, QUANTAS TERÃO MAIS DE SUCUMBIR, PARA QUE SE FAÇA ALGUMA COISA?

TAMBÉM É CERTO, QUE NESTE CASO CONCRETO, NADA ESTÁ ESCLARECIDO, MAS MUITO ME ESPANTARIA, SE NÃO SE VERIFICASSEM OS MAUS TRATOS, OU A NEGLIGÊNCIA, TANTO MAIS QUE, COMO JÁ DESCREVIA ANTERIORMENTE, JÁ HAVIA INDÍCIOS DE MAUS TRATOS.

UMA COMISSÃO DE MENORES, QUE ALERTADA, DEIXA QUE ACONTEÇAM, ESTE E OUTROS CASOS, COMO INFELIZMENTE, TEM VINDO A ACONTECER, NÃO É PRECISA PARA NADA!!!

TEMOS QUE APURAR VERDADEIRAS RESPONSABILIDADES, DOA A QUEM DOER!!!

BASTA DE CRIANÇAS A SOFRER POR MAUS TRATOS!!!

Afinal as minhas previsões estavam certas INFELIZMENTE como relata a minutos o "Portugal Diário":

"A mãe da pequena Sara, a menina de dois anos que morreu na passada quarta-feira, em Monção, foi detida esta tarde e levada para o Tribunal de Monção onde aguarda a chegada de um juiz de turno, soube o PortugalDiário junto de fonte da Santa Casa da Misericórdia.

Ana Isabel Oliveira Costa, de 24 anos, foi ouvida pela PJ de Braga, durante quatro horas, nas instalações do infantário da Santa Casa da Misericórdia, em Monção, tendo seguido, por volta das 16 horas, para o Tribunal.

O pai da menina também foi ouvido mas não ficou detido e deverá acompanhar amanhã as cerimónias fúnebres.

Ainda de acordo com informações recolhidas pelo PortugalDiário junto de fonte do Instituto de Medicina Legal, a autópsia ao corpo da menor evidenciou «lesões traumáticas significativas no crâneo, tórax e no abdomén» e que «foram inequivocamente responsáveis pela sua morte».

O exame ao cadáver da menina, realizado no Instituto de Medicina Legal de Viana do Castelo, evidenciou ainda «várias lesões mais antigas» que sustentam a tese dos maus tratos infligidos à menor.

Seguem-se os exames complementares de rotina e uma fase «fundamental» que consistirá na «confrontação entre as lesões observadas e as informações fornecidas pelos progenitores».

Apesar de os primeiros darem credibilidade às suspeitas de maus tratos, a fonte do IML acrescenta «que primeiro é preciso confrontar os resultados médicos com os elementos recolhidos pela PJ, nomeadamente, o tipo de escadas em que a menor terá caído».

Refira-se que na versão dos progenitores, a morte de Sara ter-se-á ficado a dever a duas quedas que a menor deu nas escadas da casa, em Monção.

A menina deu entrada na quarta-feira de manhã no Centro de Saúde de Monção com uma paragem cardio-respiratória e vários hematomas na cabeça e nas pernas."

Retirado de www.portugaldiario.iol.pt

Basta!!!

4 comentários:

MRelvas disse...

Portugal está cheia de COMISSÕES!Porque não pessoas RESPONSÁVEIS?

Um abraço beezz!

Vamos aos posts e coments nada nos afecta,muito menos coments anónimos!..

Mário Relvas

Beezzblogger disse...

Amigo relvas, A MIM NINGUÉM ME CALA...

Abraços do beezz

luis almeida pina disse...

Isto é possível, porque infelizmente os profissionais que se encontram á frente destas comissões, não têm o mínimo senso nem tacto para estas situações.
Um abraço
Luís Almeida Pina

victor simoes disse...

Para além dos que estão à frente destas comissões ad-hoc, também se dá o caso dos que não têm meios porque, é tudo muito bonito no papel, na prática é o que se vê!
O mais grave neste caso, é que a criança, segundo o testemunho de visinhos, enquanto esteve à guarda da avó, estava bem! Porque é que a segurança social a entregou aos pais?
Mais um caso para analisar e ver onde está a falha e porquê... não se aprende?

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas