25 outubro 2006

Gostaria sinceramente de os ver!

Se déssemos a volta ao país! Seria curioso perguntar aos cidadãos comuns, às pessoas do povo, o que pensam realmente dos Governos, dos políticos, dos partidos políticos, enfim...Do que se passa no país!

Seria interessante, ouvir o pulsar das populações. E saber de facto, qual a opinião que elas têm dos governantes.
Seria um exercício curioso, para alguns fazedores de opinião, que se calhar ficariam admirados, com aquilo que eventualmente ouviríam, dessas pessoas completamente desfazadas da realidade.

Reparem! Isto seria apenas um ensaio, no sentido de auscultar o povo humilde, que não sabe ler nem escrever. Que vive nas aldeias mais isoladas de Portugal, que nunca viram televisão, que não têm água nem electricidade, que não têm sequer transportes, para se deslocarem das localidades, a não ser a pé, ou de carroça.
Podem crer que há muitos, espalhados por esse país fora.
Seria interessante ouvi-los!

Gostaria sinceramente, que esses fazedores de opinião, andassem por essas cidades e aldeias deste país, onde em pleno Século vinte e um, ainda existe obscurantismo, como se estivessemos no Século dezanove.
E podem crer que não é ficção! É a mais pura realidade.
Gostaria sinceramente de os ver!

11 comentários:

MRelvas disse...

Caro Mário margaride.
Conhece vale de Azares?A 5 Kms de Celorico da Beira?Essa é a terra do meu pai,do meu avô e onde passei dias maravilhosos!Também sofri muito.Um dia talvez aqui conte o que passei...depois da famosa revolução dos cravos!
Boa para uns,má para outros e refeiro-me ao povo de portugal,não aos dirigentes!
A minha escrita mais não é que o reflexo do que ouço do povo,do que sinto.Fazedores de opinião somos todos nós,caro Mário!
Digo-lhe que nesse Portugal profundo e ignorado,eu cheguei a ir para o ciclo a pé durante 7 kms,no inverno,saindo de casa às 6horas da manhã e regressando a pé mais 7 kms,a subir e descer.Lembro que é na base da Serra da Estrela,onde o frio aperta.Comigo viajavam outros rapazes e raparigas.
Perante td isto só mais tarde fui para o Colégio da Via Sacra,pois os meus pais embora tendo dinheiro-algum,em Moçambique,cá nada tinham.E estudar ali esra cara.Mais tarde lhe contarei...talvez meu amigo.
Agradecia que fosse ao tema da semana!
Como ninguém avançou eu postei aquele deacordo com o Victor!
Um abraço
MR

Mário Margaride disse...

Amigo Relvas. Quando me refiro aos fazedores de opinião, estou a referir-me a muitos que nas nossas televisões, rádios e jornais, falam sempre no povo, e em nome do povo.É desses que estou a falar! Politicos, ex-politicos, comentadores residentes, etc...Não das pessoas comuns, muito menos do meu amigo. Entende! Porque aqui, caro Relvas. Damos apenas opiniões, que é bem diferente. Não falamos em nome de ninguém, pelo menos é isso que faço, acho eu! Ou estarei enganado!
Um abraço
Mário Margaride.

MRelvas disse...

Grato meu amigo Mário margaride.Sim nós damos dicas válidas e sentidas.Somos povo,sério,amigo e com opiniões por vezes diferentes,sim pois todos temos vivências diferentes salutarmente.

Um abraço
Mário margaride
Mrelvas

A. João Soares disse...

Amigo Mário,
Um bom tema. Quem não gostaria que isso acontecesse?
Todos nós, cada um de nós, somos povo. Mas há povo com características diferentes. Nada é igual. O Povo dos lugares simples que conheço, desde que nasci, levava uma vida simples e pura, mas distante das novidades tecnológicas. Hoje raras são as aldeias que não têm electricidade e, portanto, televísão, mas o salto no progresso foi rápido e a adaptação foi difícil.
Nós portugueses temos os nossos defeitos, somos apáticos, resignados, conformados, mas quando nos chega a pimenta ao nariz reagimos com loucura. Veja-se os crimes que ocorrem por todo o lado por motivos fúteis.
De política ninguém fala, no Portugal profundo, a não ser recitar slogans dos partidos de que alguém os levou a gostar, mas agora que as chuvas causaram estragos acusaram o Governo desses incómodos, como se o Governo tivesse culpa de ter chovido muito!
Vive-se mal no interior, em comparação com os padrões das grandes cidades. Mas lá ninguém se considera pobre. Tenho disso experiências concretas recentes.
Quanto a ignorância, ela é uma constante em todos os meios, como os concursos televisivos nos têm mostrado.
Seria bom que o ministro da saúde fose fazer um passeio, incógnito, às localidades de onde retirou apoios de saúde para ouvir o que as pessoas pensam dele.
Um abraço
A. João Soares

Ludovicus Rex disse...

Meu Caro,
Infelizmente não é ficção, o país real é bem diferente de que muitas vezes o "pintam".
Esses senhores escrevem as sua opiniões sentados numa cadeira em Lisboa...E digo tudo...

MRelvas disse...

Boa Ludovi...bem dito!

Venha um post amigo!

Abraço
MR

MRelvas disse...

Caro Ludovi,gostei muito do seu blog.Pela parte que me toca (enquanto "escrivinhador" de algumas opiniões por sinal até não muito semelhantes às do meu amigo,nuns aspectos) obrigado pela referência ao Blog avozdopovo!
Quem não conhece e o quizer fazer,clik no nick Ludovicus Rex e entrará no perfil do nosso amigo.É extenso...é masculino.Procura um mundo melhor.Obrigado amigo Ludovic!

Abraço
MR

Abraço
MRelvas

Ludovicus Rex disse...

Amigo Relvas,
Obrigado pelas suas palavras.
A Sociedade é isto mesmo, ideias diverventes e divergentes...
Como dizia uma senhora que passava num spot da Antena 1 - "a falar é que a gente se entende."

Um abraço

Ludovicus Rex disse...

Desculpem, queria dizer divergentes e convergentes...

MRelvas disse...

Amigo Ludovic,pensei que queria dizer que a hipotenusa é igual à soma do quadrado dos catetos.!.!.!Será?ainda me lembro ou está errado?

Abraços para tds
MR

Ludovicus Rex disse...

Amigo Relvas, nunca fui bom a matemática, mas deve ser isso.
Um abraço

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas