18 outubro 2006

Na minha jangada me deito

Na minha jangada me deito
E lá me deixo levar
Na corrente sem corrente
Do rio que está a secar

Agora só resta lama
Da água que lá morou
Nas margens já não há arvores
Porque o tempo, as derrubou

Na minha jangada me deito
E lá me deixo levar
Pelo vento que vai soprando
Sempre sempre, sem parar

Na minha jangada me deito
Até onde, me levar...

2 comentários:

MRelvas disse...

Caro Mário Margaride,viva!

Tinha visto uma poesia postado sua,há pouco ia para comentar e já lá não estava.Era bonita,como esta também o é!Caro amigo,falar do amor é bonito e necessário.Todos somos fruto de amor.Temos que o conservar.

Sobre este poema,amigo Margaride,realmente na vida fazemos a acama e nela nos deitamos.Mas não nos deixemos levar apenas e só ao sabor da vida sem demonstrarmos a nossa capacidade de reivindicar os nossos pensamentos.Lutemos pela dignidade e pela vida.Aqui lhe deixo esta mensagem amiga e com o símbolo que passo a usar no meu comments e profile.O Autismo Europa.

Cumprimentos

Mário relvas

JOSÉ FARIA disse...

Mário Margaride, um abraço.
Bem concebido.
Na verdade quantos de nós deseja navegar em águas calmas, em barco, veleiro ou cruzeiro, e não sai de uma jangada à deriva em águas calmas, turvas ou de rápidos.
Não é facil navegar como queremos e desejamos, mas tentemos fazê-lo com mais qualidade e segurança.

Claro que para além da minha opinião, fui prepositadamente orientarme nas palavras do amigo MRelvas que diz:- "Mas não nos deixemos levar apenas e só ao sabor da vida sem demonstrarmos a nossa capacidade de reivindicar os nossos pensamentos".
Acho que tem que ser assim a nossa vida, a nossa luta pela sobrevivência com alguma qualidade.

Um abraço a ambos

José Faria

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas