23 setembro 2006

Papa recebe ameaças veladas


O Papa veio ontem a púbico, pela quarta vez nos últimos dias, tentar apagar a fogueira da polémica que ele próprio acendeu, a semana passada, quando associou a religião islâmica à violência.

“Expresso o meu profundo respeito pelas grandes religiões, em particular os muçulmanos, com quem estamos [os católicos] empenhados em defender e promover em conjunto a justiça social e os valores morais, a paz e a justiça para todos os homens”, disse Bento XVI durante a sua audiência semanal do Vaticano.“De maneira alguma quis tornar minhas as palavras do imperador”, acrescentou, referindo-se ao texto medieval que citou, o qual caracterizava os ensinamentos do profeta Maomé como “perversos e desumanos”.

Desde então, vários sectores radicais islâmicos têm feito ameaças mais ou menos veladas contra a vida do Sumo Pontífice. Uma das mais graves partiu de um grupo ligado à Al-Qaeda, de Bin Laden, que na passada segunda-feira afirmou estar a preparar atentados contra o Papa e Roma.A União Europeia está muito preocupada com as ameaças a Bento XVI. ( Em 24Horas de 22-09-2006)

Não será que os media, estão a dar demasiada importância ao assunto? Até a Al-Qaeda, aproveita, pois tudo isto é publicidade. Na minha opinião as comunidades muçulmanas, poderiam dar uma ajuda, a colocar um ponto final na polémica dado que o Papa, já se explicou e é certo que foi mal interpretado!

O Irão e a Malásia, já se mostraram compreensivos, o presidente Mahmud Ahmadinejad numa conferência de imprensa, disse " nós respeitamos o Papa e todas as pessoas que se interessam pela paz e justiça" "manifesto respeito por Bento XVI, as suas palavras sobre o Islão e a violência foram modificadas".

Abdullah Badawi, primeiro ministro da Malásia, considerou aceitável o esclarecimento de Bento XVI - " Penso que poderemos aceitar a sua explicação e esperamos que não surjam mais declarações irritantes para os muçulmanos", disse o chefe do governo malaio.

Uma coisa é certa, a explosão de protestos e violência, contra o discurso papal, demonstram que há instrumentalização e manipulação de massas por parte de instigadores políticos a que se juntam grupos extremistas radicais e terroristas!

Para bem da humanidade, de uma vez por todas, deveriam os líderes religiosos sentarem-se à mesma mesa e darem um passo definitivo no sentido de abertura ao diálogo inter-religiões, porque é possível a coexistência pacífica de todos os homens, independentemente do credo, raça ou religião... mas isto só é possível em liberdade e em democracia, com respeito mútuo e aceitando e respeitando as diferenças de uns e outros.

5 comentários:

MRelvas disse...

Caro amigo Victor,
desejo efectivamente que não falem em religiões como entidades belicistas.Haverão problemas destes,mas na realidade penso que as religiões entram mais no quotidiano da falta de crédito das políticas falidas e destruidoras mundiais (ocidente e oriente).O Papa Bento XVI simplesmente aludiu a um maior encontro de opiniões entre os povos e relegiões.

um abraço

A. João Soares disse...

Caros Amigos
É tempo de apagar a foguira acesa à volta deste tema.
Mas que fique de lição para o Papa novato. Se ele fala de uma religião que não a sua não é certamente para a elogiar. E, por isso, os crentes dela, ficam desconfiados, ofendidos, mesmo que não vejam claramene qual é a ofensa.
O mal do Papa é semelhante ao de muitos governantes portugueses que, sendo professores universitários e comptentes cientistas, não sabem descer ao nível do comum dos mortais e falar para eles em linguagem compreensível. Sua Santidade, como ex-professor de Teologia, tem dificuldade em ler o pensamento dos simples indivíduos e não conseguiu comprender que, nos tempos que correm, os assuntos ligados ao Islão têm que ser tratados com pinças. E ele, como Sumo Pontífice, nem com pinças lhes deve tocar e nunca referir abertamente o nome da religião de Alá.
E quanto mais explicações pretender der, mais se diminui aos olhos de muçulmanos e também de cristãos.
Não podemos esquecer que as rivalidaes entre religiões são mais agrestes do que entre clubes de futebol. A história está cheia de conflitos de índole religiosa.
Espero que o bom senso impere e, felizmente, já aparecem sinais positivos de líderes muçulmanos.
Cumprimentos.

MRelvas disse...

Como o Victor diz, há instigadores políticos...
Nã há outra alternativa.Mais de 99% da população não leu sequer o discurso do Papa. Logo só pode haver dominação de massas, tão simples de inflmar quando estão em ponto de rebuçado, como no momento!

Entendi a msg caro Victor.

Um abração!

A VOZ DO POVO disse...

É verdade a maior parte das pessoas não leu as palavras do Papa, e daí toda a manipulação e mesmo entre nós, será caso para perguntar, quem leu? Talvez o que saibamos, é apenas o que recebemos de ouvido e o notíciado pelos media.
Para quem não leu deixo-vos aqui uns links, que poderão ajudar.
Um grande abraço.

O Que é que no discurso do Papa interpela o Irão?

Discurso do Papa (oficial)

MRelvas disse...

Caro Victor,aqui só não leu quem não quiz,pois foi postado pelo amigo João Mauricio!

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas