04 outubro 2006

VOU ABRIR...PORTAS E JANELAS

Rompo o silêncio que cala...
Nubloso
E cinzento,
Falo com a voz da esperança...
Da alegria,
Rasgo horizontes perdidos,
Adormecidos...
Rompo o marasmo,
Do compromisso
E da Inércia,
Abro portas e janelas,
Para que,
Uma nova aragem,
Entre
E refresque,
Numa casa...
Onde o cheiro, o bolôr
E a melancolia
Há muito...
Se instalou;
Vou abrir...
Portas e janelas
Para a claridade
Entrar

De Mário Margaride

david santos: então Mário!!!???

1 comentário:

Mário Margaride disse...

Obrigado amigo David. Por ter ido buscar meu este poema, que ilustra de uma maneira inequívoca, e neblusidade que páira no ar. É Preciso que escancaremos as portas, para entrar ar puro, e para que o nevoeiro se dissipe, para dar lugar à luz e claridade.
Um abraço Mário.

Prémio

Prémio
Atribuído Pela nossa querida amiga e colaboradora deste espaço, a Marcela Isabel Silveira. Em meu nome, e dos nossos colaboradores, OBRIGADO.

Indicadores de Interesse

My Popularity (by popuri.us)

DESDE 11 DE JUNHO DE 2010

free counters

Twitter

eXTReMe Tracker

Etiquetas